Voltar
Publicado em: 13/09/2018 às 16:59

Prêmio Roberto Santos de Mérito Científico contempla professor doutor da área de ciências biológicas e da vida

Por: Ascom/Fapesb

Lázaro Cunha (diretor geral da FAPESB), Julieta Palmeira (secretária de Políticas para as Mulheres), o vencedor Dr. Edgar Marcelino de Carvalho e o professor Roberto Santos, que dá nome à premiação

Chegando à quarta edição, o Prêmio Roberto Santos de Mérito Científico foi entregue na manhã da última quarta-feira, dia 12 de setembro, para o Dr. Edgar Marcelino de Carvalho Filho pela sua contribuição à ciência e pesquisa na Bahia. A solenidade foi realizada no Espaço Lazareto, na Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado da Bahia (FAPESB). Além de uma placa de honra ao mérito, o professor foi contemplado com o valor de R$ 30 mil. Depois de premiar pesquisadores das áreas de Ciências Exatas, da Terra e Engenharias, e das Ciências Humanas, Sociais, Letras e Artes, nas duas últimas edições, a premiação voltou ao início do ciclo, contemplando nomes que atuam no campo das Ciências Biológicas e da Vida.

O evento contou com a participação do ilustre professor Roberto Santos, ex-reitor da Universidade Federal da Bahia e ex-governador do Estado; Lázaro Cunha, diretor-geral da FAPESB; Igor Batista Galvão, chefe de gabinete da Secretaria de Ciência, Tecnologia e Inovação (SECTI); Marilda de Sousa Gonçalves, diretora do Instituto Gonçalo Moniz (Fiocruz Bahia); Profa. Dra. Eliane Azevedo, representando a Academia de Ciências da Bahia; Thierry Correa, pró-reitor de pesquisa, criação e inovação da Universidade Federal da Bahia (UFBA); e Julieta Palmeira, secretária estadual de Políticas para as Mulheres (SPM).

A abertura ficou sob a responsabilidade do diretor da FAPESB, que agradeceu a força e suporte dos pesquisadores para desenvolvimento da ciência na Bahia. “A partir desse comprometimento, seguimos com a responsabilidade de continuar estimulando áreas estratégicas para o nosso Estado”, afirmou. Na sequência, a Profa. Marilda Gonçalves fez um panorama sobre o contexto da pesquisa científica voltada para área da saúde brasileira. Pesquisadora titular na Faculdade de Farmácia da UFBA, ela detalhou uma série de importantes conquistas obtidas através de trabalhos científicos, ao longo da história. “Nem sempre os resultados das pesquisas são aqueles que esperamos, mas, a partir disso, podemos chegar a caminhos inesperados”, comentou.

Reconhecimento e trajetória

Nascido em Salvador, e com graduação em medicina pela UFBA, Edgar Marcelino de Carvalho Filho fez especialização em reumatologia e imunologia pela Universidade de Virgínia (EUA), além de mestrado e doutorado em medicina e saúde também na UFBA. O pós-doutorado de Marcelino foi concluído em imunologia, no Weil Cornell Medical College (EUA). Com reconhecida trajetória, ele falou sobre a felicidade com a valoração da sua trajetória acadêmica e científica ao receber o 4º Prêmio Roberto Santos.

“Para mim, é muito honroso receber essa premiação. Agradeço a FAPESB e aos meus pares pela indicação. Esse é um momento de celebração para ciência, mas também de lembrar que os trabalhos de grandes personalidades, como Edgar Santos e Roberto Santos, voltaram sua visão científica e estratégica para o futuro”, declarou o também pesquisador da Fiocruz Bahia e professor titular aposentado da UFBA e Escola Bahiana de Medicina e Saúde Pública. Edgar Marcelino também foi o presidente da Sociedade Brasileira de Imunologia e, atualmente, coordena o Instituto Nacional de Ciências e Tecnologia em Medicina Tropical.

Encerrando o evento, o ilustre Roberto Santos afirmou que é uma grande satisfação participar de um momento tão importante para a vida da Bahia. “É um prazer ver o trabalho do doutor Edgar Marcelino, que se destaca por seu potencial acadêmico. É merecedor de muitos prêmios no campo das ciências médicas. Por isso, cumprimento o professor Marcelino pelo excelente trabalho que tem feito em todos os cargos que ocupou de forma merecida, até mesmo no enfretamento das dificuldades. Isso nos faz ter confiança na nossa juventude”, finalizou. Ele também fez questão de cumprimentar a FAPESB por proporcionar um momento de satisfação para a ciência baiana.

Voltar