Notícias

FAPESB disponibiliza R$1,5 milhões para empresas de Comércio e Serviço

091.foto19112014

A Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado da Bahia lançou este mês um edital inédito de Apoio à Inovação em Comércio e Serviço, no valor de R$ 1,5 milhões, que apoiará, por meio da concessão de recursos de subvenção econômica (recursos não-reembolsáveis) o desenvolvimento de inovações em produtos, processos e serviços em empresas baianas dos segmentos de comércio e serviços. O objetivo do Edital, além de apoiar projetos nesta área, é promover um aumento das atividades de pesquisa, inovação e o incremento da competitividade das empresas e da economia do Estado. O Edital de Apoio à Inovação em Comércio e Serviço da Fapesb é pioneiro neste segmento no Brasil.

O edital será apresentado em detalhes nesta quinta-feira, 20 de novembro, no auditório da Secretaria de Indústria, Comércio e Mineração – SICM, às 10h, em reunião promovida pelo Fórum Regional Permanente das Microempresas e Empresas de Pequeno Porte do Estado da Bahia em parceria com a Fapesb. Este Fórum está vinculado ao Ministério do Desenvolvimento e Secretaria da Indústria e Comércio e reúne empresários e representantes de entidades empresariais do estado.

Segundo Wilson Andrade, coordenador do núcleo de Inovação e Tecnologia para Pequena e Média Empresa (um dos seis núcleos do Fórum Regional) a inovação e a tecnologia são o caminho para o progresso: “Se você não tem inovação e não traz tecnologia para a empresa, não tem produtividade e não pode concorrer com os produtos chineses da vida. Para fazer isso, o grupo vem estudando há quatro anos”, afirma. Nestes quatro anos, o núcleo dialogou com os empresários baianos para identificar suas dificuldades em relação à inovação e tecnologia e listaram alguns pontos como a falta de conhecimento, de recursos e de estímulos fiscais. Eles também perceberam que o Micro Empreendedor Individual (MEI) não estava contando com incentivo financeiro de nenhuma agência de fomento ou linha de crédito. “Na Bahia já são 150 mil MEI e eles precisam de acesso à tecnologia e inovação para buscar competitividade, senão eles não crescem”, diz. “Houve uma sensibilidade da Fapesb, que acatou nossa sugestão e lançou este edital.”

Alzir Mahl, coordenador do Apoio à Competitividade Empresarial da Fapesb, fala sobre o edital: “Este é um Edital inédito no país, não existe outra chamada com este formato e público a ser apoiado, e surgiu através da demanda de associações e empresas do segmento empresarial baianos”. Para Alzir, o edital poderá contribuir para aproximar empresas, universidades e centros de pesquisa: “A Fapesb, com este apoio, expande seu olhar sobre segmentos empresariais muitas vezes não atingidos pelas linhas de apoio da Fundação e, ao mesmo tempo, incentiva a prática da cultura da inovação nos empreendedores locais e a cooperação destes com as universidades e centros de pesquisas do Estado”.

Tiana de Araújo, da Junta Comercial do Estado da Bahia (JUCEB) e coordenadora do comitê temático “Desoneração e Desburocratização” do Fórum Regional, diz que o edital é uma concretização de benefícios de grande importância para os MEI atuantes no segmento de comércio e serviços que têm dificuldade em investir no desenvolvimento e inovação de seu produto. “Fazemos acontecer a aplicação da Lei Geral efetivamente, trazendo um benefício deste porte não só para os micros e pequenos empresários e empresas de pequeno porte, mas também para o MEI em geral, que terá a oportunidade de ser beneficiado com recursos subvencionados. É um grande feito do Fórum de Microempresa que vem tornar concreto um trabalho sério conduzido por uma equipe comprometida”, diz.

O diretor do Parque Tecnológico da Bahia, Leandro Barreto, explica a importância do edital para as empresas de comércio e serviços: “As empresas Startups são as típicas que captam recursos em editais de inovação, mas agora o estado da Bahia entendeu que é preciso também apoiar e colocar a inovação na ponta, naquele comércio de bairro, numa papelaria, numa borracharia, para que essas pessoas possam enxergar que inovação não é somente um novo Smartphone ou um aparelho super tecnológico, mas que ela pode estar no nosso dia a dia”. Segundo ele, é importante atender a um público que não se enxerga dentro de um escopo de inovação: “Entendemos que é fundamental e inovador atender essa classe de comércio e serviços, cabeleireiros, mecânicos, qualquer área que possa, por meio da inovação, melhorar sua empresa e sua renda”, afirma.

O edital será apresentado pelo Diretor de Inovação da Fapesb, Artur Caldas Brandão e estará vigente até as 17h do dia 06 de março de 2015. Clique aqui para ver o edital.

Por: Lorena Bertino – Ascom/Fapesb

Giro na Ciência – Mitos Prejudicam o socorro de vítimas de animais peçonhentos

090.foto14112014

Emilly Sales tinha 16 anos e estava na cidade de Elisio Medrado no interior da Bahia, localizada há 223 km de Salvador no ano de 2011, quando foi picada por um escorpião enquanto dormia. Como na cidade, não havia um hospital que oferecia o soro antiescorpiônico, Emilly foi encaminhada para uma unidade de saúde da cidade de Amargosa (BA), referência no tratamento de soroterapia na região. Lá, havia banco de soros, e toda uma equipe capacitada para fazer o atendimento. “Quando cheguei até a unidade de saúde, o soro já não era mais indicado, devido ao tempo de locomoção para receber o atendimento”, conta Emilly que não sofreu qualquer sequela, após o acidente.

Assim como Emilly, muitas pessoas são vítimas de ataques de animais peçonhentos como serpentes, escorpiões e aranhas. No ano passado 14.313 acidentes foram registrados na Bahia pelo Sistema de Informação de Agravos de Notificação (SINAN), um sistema do Ministério da Saúde que controla e armazena todos os dados sobre acidentes com animais peçonhentos no país.

A maioria dos casos ocorre em matas, margens de rio e terrenos baldios em áreas urbanas, sendo comuns, acidentes que se agravam pela falta de informação e atendimento errado. De acordo com o SINAM, 59 % dos acidentes ocorrem no interior da Bahia. O número de acidentes com escorpiões é bem maior, quando comparados aos que ocorrem com serpentes no Brasil. Em 2013, o sistema registrou na Bahia 11.057 acidentes com escorpiões e 2.666 com cobras.

O Centro Antiveneno (CIAVE), ligado à Secretaria Estadual de Saúde da Bahia, é responsável pela assistência aos pacientes, diagnóstico e capacitação dos profissionais que realizam os atendimentos e tratamentos no estado. O CIAVE ainda coordena a distribuição de soros nas 300 unidades de saúde localizados nos 286 municípios da Bahia.

O CIAVE acompanha o número de casos a partir do Sistema de Informação de Agravos de Notificação (SINAN). Os municípios que mais registram ocorrências de acidentes com animais peçonhentos na Bahia são: Jequié, Feira de Santana, Caetité, Condeúba, e Ibiassucê. O farmacêutico e coordenador do programa de acidentes com animais peçonhentos e de apoio diagnóstico e terapêutico do CIAVE Jucelino Nery relata que o número de acidentes varia a partir de vários fatores. “Há locais onde o clima influencia, existem ainda questões como, a falta de saneamento e desmatamento que propiciam o aparecimento desses animais nas áreas urbanas. Em Jequié, por exemplo, os acidentes com escorpiões aumentaram em 38% em 2014, comparado com o primeiro semestre de 2013, devido aos casos de desmatamento na região e a construção da ferrovia oeste-leste,” alerta.

Mitos e verdades – O aposentado Francisco Tavares Cavalcanti, 71 anos, nascido e criado em um distrito do município de Itabuna, interior da Bahia, relata, que na década de 1970, época em que trabalhava em uma fazenda de cacau, viu vários amigos serem picados por cobras nas lavouras da região. Ele explica que no interior, as pessoas acreditavam em medidas ‘caseiras’ para tentar amenizar os efeitos do veneno das serpentes. “Era todo o tipo de coisa que faziam que dava até nojo. Passavam ovo, chupavam com a boca pra tentar tirar o veneno e até passavam querosene, mas na maioria das vezes não resolvia, e o sujeito tinha que ir pro hospital tomar o soro. Naquela época eu acreditava nessas coisas, mas hoje não”, conta o comerciante que, há 11 anos, vende frutas no Largo Dois de Julho, Centro de Salvador.

A bióloga e colaborada do Núcleo Regional de Ofiologia e Animais Peçonhentos (NOAP) da Universidade Federal Bahia, Yukari Mise explica que medidas absurdas são praticadas por muitas pessoas, na tentativa de anular os efeitos das picadas desses animais. “Já vimos medidas extremas como, abrirem a cobra, retirar o fígado e passar no local da picada. Isso é totalmente errado,” alerta a bióloga. “Existem também pessoas que benzem com plantas e fazem orações utilizando extrato de plantas”, diz a bióloga.

Ela ainda alerta sobre as famosas ‘garrafadas’, muito utilizadas em algumas cidades do interior, que é a mistura da aguardente de cana-de-açúcar com uma serpente morta no interior da garrafa. “Muitos bebem no intuito de ficar imune ao veneno, mas sabemos que essa mistura é prejudicial e desnecessária.”

O médico toxicologista e diretor do CIAVE Daniel Rebouças esclarece que é muito importante, observar o local da picada e fazer o possível para identificar o animal, porém, mais de 90% das pessoas não realiza a captura ou a identificação. Daniel Rebouças explica que os venenos das cobras cascavel e coral provocam nas vítimas, sintomas parecidos com os de pessoas alcoolizadas, o que se chama ‘cara de bêbado’, a pessoa fica com as pálpebras caídas, a fala embolada e tontura. “Também é possível identificar o tratamento correto, em alguns casos, através dos sintomas apresentados pela vítima”, esclarece o médico que ainda alerta: “É importante não dar qualquer tipo de medicação ou bebidas a essas pessoas, pois isso compromete a identificação do soro a ser aplicado, a partir da observação dos sintomas”.

Serpentes – A ideia de que as picadas de cobras representam um risco à saúde é também uma questão cultural, porém nem todas são venenosas, como explica o diretor do CIAVE, Daniel Rebouças. “Esse mito, acompanha a humanidade desde a corrente criacionista, que narra na bíblia, a história de Adão e Eva, a partir da civilização judaica cristã ocidental, que estigmatizou a serpente como um ser desprezível e perigoso”.

O fator cultural que se associa à questão das serpentes tem construído uma série de mitos e verdades, e levam as pessoas à realizarem ‘simpatias’ e procedimentos inadequados, para o tratamento das picadas.

Serpentes
A cobra que mais causa acidentes no Brasil e na Bahia é de Jararaca. Causa hemorragia e afeta a coagulação, modificando o número de plaquetas no sangue. De acordo com a bióloga Yukari, mais de 80% dos casos registrados com serpentes peçonhentas são de Jararaca.

Apesar do maior número de acidentes acontecerem com jararacas, elas são as cobras menos letais. A quantidade de óbitos comparada à quantidade de casos é mínima, 3 em cada 1000 casos. Contudo ela é serpente que mais deixa sequelas por causa do veneno de caráter degenerativo. A bióloga Yukari é um exemplo, ela conta que já foi picada, e imediatamente lavou o local com água e sabão, por causa das bactérias presentes na boca da cobra. Em seguida ela deixou a mão levantada, já que a picada foi no dedo, para evitar o inchaço, sinal característico das picadas de jararaca, o inchaço é indicativo de gravidade. Foi nessa ocasião que ela descobriu que era alérgica ao soro, explica “Muitas pessoas são alérgicas ao soro, mas mesmo assim ele é a única medida completa e eficiente, por isso, deve ser ministrado ao lado de antialérgicos e corticoides.”

Cascavel – A cobra mais letal é a cascavel, ela possui um veneno mais perigoso que a jararaca. Em 2013, 94 acidentes foram registrados na Bahia. Em quase 2% dos casos, as pessoas picadas morrem mesmo com o uso do soro, segundo o SINAN.

Coral – Seu veneno é neurotóxico (paralisante), afeta o funcionamento nervoso e provoca morte por insuficiência respiratória. A coral, tem o veneno mais potente entre as serpentes brasileiras. Ela possui cores chamativas, e por isso é difícil não identificá-la.

Falsa coral – Possui cores chamativas e veneno, mas de toxicidade baixa e não perigosa para seres humanos, a mordida provoca apenas coceira. É muito parecida com a Coral verdadeira, a diferença é que algumas não possuem listras na parte inferior, tem a barriga branca, mas só algumas tem essas características.

Como identificar uma serpente venenosa? A forma mais importante para identificar uma cobra perigosa é a fosseta loreal, uma cavidade entre a narina e o olho que em algumas cidades as pessoas chamam de ‘cobra de quatro ventas’. “A fosseta é a estrutura que as cobras usam para perceber o calor e produzir a imagem térmica. Das cobras mais perigosas – Cascavel, Jararaca, Surucucu e Coral – apenas a coral não possui a fosseta, mas ela é facilmente identificada pelas cores chamativas. A cascavel além da fosseta, possui o chocalho na cauda que facilita o reconhecimento”, explica a bióloga Yukari Mise.

Soroterapia – O diretor do CIAVE Daniel Rebouças explica que toda a produção de soros no Brasil é feita em três laboratórios principais: Instituto Ezequiel Dias, Instituto Butantan e Vital Brasil. Na Bahia existem municípios que concentram bancos de soros para atender às regiões próximas, como vilarejos e distritos.

A utilização do soro deve ser feita em doses e casos necessários. “No caso das picadas de escorpiões, por exemplo, o tratamento não requer soro para os adultos. Apenas crianças menores de 7 anos ou adultos e idosos que apresentem manifestações clínicas que justifiquem o uso do soro como hipertensão e diabetes, por exemplo,” esclarece o toxicologista. Quanto às serpentes e aranhas peçonhentas, o soro é sempre utilizado.

Como é produzido o soro? Os soros são medicamentos inócuos, ou seja, não são nocivos. O diretor do CIAVE Daniel Rebouças explica que o soro é produzido a partir da proteína do cavalo, o veneno é inoculado no cavalo que por ser um animal de grande porte, resiste à toxina, ele faz isso fabricando anticorpos que são filtrados para a partir daí, o soro ser produzido. “Por ser uma substância vinda de outro animal, pode provocar reação alérgica, por isso é importante usar o soro mais específico possível e a quantidade correta” destaca o médico.

A única coisa completa é o soro antiveneno específico, conta a bióloga Yukari Mise, “existem substâncias como alguns extratos de plantas que cumprem funções isoladas como analgésico ou anticoagulante, no entanto, o soro é o único que trata todos os sintomas gerados pela picada.” Ela esclarece que a maioria das pessoas, são alérgicas ao soro, por isso ele é sempre ministrado associado a antialérgicos, corticoides e antitetânica.

“Ninguém morre de imediato ao ser picado por uma serpente, os sintomas levam uma média de três horas para se manifestarem e isso depende de vários fatores, como idade ou estado de saúde da vítima” esclarece Jucelino Nery. Os casos de óbito geralmente acontecem quando as pessoas não procuram serviço médico ou procuram tardiamente. O primeiro sintoma que indica uma gravidade no estado do paciente é insuficiência renal. Os soros variam pelo gênero da serpente. Ele alerta, “O recomendado é usar o soro o quanto antes. Até 12h é recomendado, mas até 24h ele ainda fará efeito.”

Como identificar outros animais pelas suas características?

Escorpiões – Todos os escorpiões são venenosos (peçonhentos), mas nem todos são perigosos para as pessoas. O soro antiescorpiônico é universal pois as toxinas são parecidas. Os escorpiões que mais se destacam na Bahia em número de acidentes são o escorpião-amarelo e escorpião-listrado. O escorpião listrado registra alta incidência de acidentes no Nordeste de Amaralina em Salvador. Sua picada provoca muita dor e oferece um risco maior para crianças que ao serem picadas, podem morrer por edema pulmonar ou choque neurogênico, quando o cérebro não suporta tanta dor.

Aranhas – São três, as aranhas peçonhentas perigosas. Viúva Negra e Armadeira são as mais recorrentes na Bahia, já a aranha Marrom tem maior incidência no sul do país e na Bahia, ela aparece na região da Chapada, em algumas cavernas, onde o ambiente é mais frio. A aranha Marrom é a mais letal. Sua a picada não dói e depois de um tempo, provoca insuficiência renal. A Viúva Negra aparece em maior quantidade no Rio de Janeiro, é uma aranha dócil, o perigo está quando é comprimida, então ela morde para se defender e destila seu veneno. “A Armadeira é a mais agressiva, porém é a menos letal”, esclarece a bióloga Yukari.

Quanto à Caranguejeira, que muitos pensam ser perigosa, não oferece grande risco. É pouco peçonhenta, a picada dói devido ao seu tamanho. Os pelos podem causar apenas urticária, irritação que provoca coceira. Muitas aranhas produzem veneno que não oferecem nenhum risco para seres humanos, conta Jucelino Nery do CIAVE. “È preciso identificar antes de iniciar o tratamento com o soro”.

Caso da Viúva negra – Quando o programa de soroterapia no Brasil estava no início, a partir de 1986, o soro da Viúva Negra (soro antilatrodectus) foi trazido da Argentina. Um estoque doado pelo Instituto Malbran, já que no Brasil ele não era produzido. No início dos anos 2000, o Instituto Vital Brazil começou a fabricar o soro, conta o toxicologista Daniel Rebouças, “um lote foi enviado para o CIAVE aqui na Bahia, um soro muito bom, mas houve um problema, o Ministério da Saúde considerou esse novo soro inadequado e impediu sua distribuição, mesmo o soro sendo testado comprovando sua eficiência e segurança, feito da mesma maneira que os outros soros”, afirma. O impasse permanece até hoje, não há distribuição do soro da Viúva Negra e ele é muito caro para ser importado de laboratórios de outros países. Então quando alguma pessoa é picada pela viúva negra, o tratamento é de suporte aos dados vitais do paciente, com analgésicos e glicose, explica Jucelino Nery. “Com o soro, o tratamento levaria apenas algumas horas e com pouca dor. Sem o soro, o tratamento leva de 1 a 2 dias, com a dor persistindo mais tempo.”

Dados para destaque:

2013 – Aconteceram 14.313 acidentes com animais peçonhentos na Bahia, serpentes, escorpiões e aranhas.
59 % dos acidentes com animais peçonhentos ocorrem no interior da Bahia.

O número de acidentes com escorpiões é bem maior, 11.057.

Acidentes com serpentes somam 2.666

Acidentes com aranhas foi o menor, 590 acidentes.

2014 – primeiro semestre – 8.494 casos de acidentes com animais peçonhentos, sendo que 6.124 deles foram acidentes com escorpiões.

No Brasil, 40% dos acidentes com cobras são provocados por serpentes não peçonhentas, segundo o SINAM.

Os municípios que mais registram ocorrências de acidentes com animais peçonhentos na Bahia são:
Jequié – 3.078
Feira de Santana – 2.008
Caetité – 1.764
Condeúba – 1.606
Ibiassucê – 1.528

FONTE:SINAN/CIAVE

O que fazer quando for picado por animal peçonhento? Lavar o local com água e sabão. Imobilizar o membro atingido, ao transportar a pessoa até o local de atendimento médico. Colocar o membro ferido em uma posição mais elevada. Conduzir a pessoa rapidamente para o atendimento médico. Se capturar o animal, levá-lo junto para que o médico identifique o procedimento e o soro indicado para o tratamento.

O que não fazer: Nunca corte ou fure a pele no local onde recebeu a picada, isso só aumenta o risco de infecção. Não faça torniquete ou fure a região mordida. A boca da serpente é rica em bactérias que podem causar infecções A jararaca, por exemplo, possui um veneno que destrói o tecido, o risco de ocorrer necrose no local picado é muito grande. Não coloque nada no local, pessoas costumam acreditar que alho, fumo, café, querosene e outras coisas do gênero podem ajudar. Isso não é verdade. Nunca tente sugar o veneno, a presa do animal é grande e a inoculação é rápida.

Por: Laís Matos – Agência de Notícias em Ciência, Tecnologia e Inovação FACOM/UFBA

Praças da Ciência serão instaladas em 40 municípios baianos

089.foto13112014

Popularizar a ciência nos espaços públicos, despertando nos jovens e crianças o interesse por conhecimentos em tecnologia e inovação. Esta é a iniciativa da Secretaria de Ciência, Tecnologia e Inovação (Secti), com a implantação de Praças da Ciência em 40 municípios baianos, por meio da instalação de oito equipamentos educativos.

O projeto Praça da Ciência visa promover e incentivar o conhecimento científico de maneira lúdica e interativa para desenvolver a curiosidade de crianças. Cada município cederá o espaço onde os equipamentos educativos serão instalados, são eles: Conchas; Bicicleta Geradora; Harpa; Alavanca; Gangorra de comprimentos diferentes; Cadeira Giratória; Balanços de comprimentos diferentes e Basquete giratório.

A secretária da Secti, Andrea Mendonça, destaca a importância do projeto para o estado da Bahia. “As Praças da Ciência têm a finalidade de democratizar a ciência e tecnologia, de forma simples e acessível à população. Estamos trabalhando com afinco nesta missão de levar conhecimento científico aos baianos. Essa é apenas uma das muitas iniciativas em andamento na Secti”.

O projeto prevê também uma parceria com a Secretaria Estadual de Educação da Bahia, junto com as Secretarias Municipais de Educação, para oferecer formação específica para professores. As prefeituras das cidades de Macaúbas, Juazeiro, Muritiba, Ubatã, Santa Luz e Brumado são algumas que já assinaram convênio para instalação dos equipamentos nas suas praças.

Fonte: Ascom/Secti

4º Encontro de Turismo de Base Comunitária e Economia Solidária vai até dia 16/11

O projeto Turismo de Base Comunitário (TBC), vinculado a Pró-Reitoria de Extensão (PROEX) da UNEB, promove, entre os dias 12 e 16 de novembro, o IV Encontro de Turismo de Base Comunitária e Economia Solidária (ETBCES), no Colégio Estadual Aliomar Baleeiro, no bairro de Pernambués, em Salvador. (…)

Com apoio da Fapesb, UNEB promove jornada de discussão sobre igualdade

O Programa de Pós-Graduação em Estudo de Linguagens (PPGEL) do Campus I da UNEB, em Salvador, realiza a I Jornada Caminhos da Igualdade: margens, imagens e transbordamentos de um signo corrosivo no dia 4 de dezembro, às 9h, no Auditório Milton Santos, no prédio da pós-graduação, no campus. (…)

Núcleo de Pesquisa em Química Analítica da Bahia faz relatório de 10 anos das atividades do PRONEX

088.foto06112014

O Núcleo de Pesquisa em Química Analítica da Bahia (NQA) publicou, neste mês, o relatório Química para a Segurança e Agregação de Valor a Alimentos, mostrando os resultados de 10 anos de pesquisas realizadas em química fundamental e aplicada. Os trabalhos focaram especialmente no estudo de substâncias e reações químicas envolvidas na caracterização, conservação e degradação de produtos alimentícios e na segurança alimentar.

Os estudos foram realizados com bebidas e produtos de origem animal, marinha e vegetal, e abordam três perspectivas: a avaliação da qualidade nutricional de alimentos e bebidas; a identificação de espécies químicas relevantes para a aceitação e apreciação sensorial; e o controle químico e microbiológico nas etapas de produção e comercialização. O objetivo geral dos estudos é agregar valor aos produtos alimentícios e contribuir para a criação de uma Tabela de Composição de Alimentos que normalmente são consumidos no Brasil, especialmente na Bahia.

O NQA é composto por grupos de pesquisa vinculados à Universidade Federal da Bahia (UFBA), no Programa de Pós-Graduação em Química e de grupos de pesquisa da Universidade do Estado da Bahia (UNEB), Instituto Federal de Educação da Bahia (IFBA), Universidade do Sudoeste da Bahia (UESB) e Universidade Federal do Recôncavo Baiano (UFRB). Ele foi formalizado em 2003, por meio do Edital PRONEX da Fapesb em parceria com o CNPq.

No relatório pode-se conhecer a história do NQA, saber um pouco sobre seus estudos e pesquisas e os demais projetos a ele vinculados. Entre 2004 e 2013, por exemplo, foram registradas 17 patentes e realizadas 104 teses e 149 dissertações pelo NQA, além da participação em 20 livros. Além dos indicadores de produção científica, o relatório apresenta algumas atividades de extensão, como o projeto “PRONEX Química e Qualidade em Alimentos e Bebidas”, financiado pela Fapesb e NCPq, que agrega 15 grupos de pesquisa no estado da Bahia. Há também referência a outras publicações, como o Atlas da culinária da Baía de Todos os Santos, lançado em abril deste ano, bem como projetos associados, como o Estudo Multidisciplinar da Baía de Todos os Santos. Todas estas ações contam com o apoio da Fapesb.

Fonte: Ascom/Fapesb

Fapesb apoia IV Encontro de Turismo de Base Comunitária e Economia Solidária

088.foto04112014

De 12 a 16 de novembro, acontecerá o IV Encontro de Turismo de Base Comunitária e Economia Solidária – IV ETBCES, no Colégio Estadual Ministro Aliomar Baleeiro, situado na Rua Saturno, sem número, Pernambués, Salvador. O evento é organizado pelo grupo Cultarte (grupo organizado por um coletivo de artesãos e artistas), pela Incubadora Tecnológica de Cooperativas Populares – ITCP da UNEB e coordenado pela professora Francisca de Paula. O IV ETBCES faz parte de um grande projeto desenvolvido no bairro do Cabula, denominado Turismo de Base Comunitária – TBC.

A professora Francisca de Paula vem desenvolvendo, há cinco anos, diversos projetos no entorno da Universidade, que incluem a organização de roteiros turísticos alternativos, responsáveis, sustentáveis e solidários – RTUARSS nos bairros do entorno da UNEB, no Cabula. O trabalho de pesquisa, extensão e ensino é voltado para a valorização cultural das comunidades, focado na educação e no desenvolvimento local com protagonismo social e comunitário. Nestes roteiros, mais diversificados, as próprias comunidades, de forma integrada e coletiva, oferecem saberes e fazeres, por meio dos quais visitantes e turistas conhecem de perto o seu estilo de vida e têm oportunidade de conviver com os moradores, conhecendo a cultura local e regional.

“O projeto de Turismo de Base Comunitária valoriza o jeito que os moradores das comunidades vivem, como eles são, e eles começam a se dar conta de que têm valor”, explica Francisca de Paula. “Os turistas não vão chegar, tirar a fotografia e ir embora. Eles vão chegar, conhecer, participar da vida, do cotidiano dessas pessoas”, afirma.

O IV ETBCES acontece juntamente com a III Mostra de Cultura e Produção Associada ao Turismo e à Economia Solidária – MCPATES; e a II Feira de Meio Ambiente e Saúde – FMAS. A programação inclui palestras, apresentações culturais, cursos e oficinas. Nos dias 15 e 16 estão agendadas visitas às comunidades. As informações podem ser encontradas no facebook: https://www.facebook.com/tbcUneb .

Confira a programação.

Fonte: Ascom/Fapesb

Com apoio da Fapesb, Fiocruz Bahia promove Seminário de Tecnologias Sociais

087.foto03112014

A Fiocruz Bahia, em parceria com a Secretaria de Promoção da Igualdade Racial (SEPROMI), realiza, no período de 4 a 6 de novembro, o I Seminário de Tecnologias Sociais: Biodiversidade, Inovação e Saúde. O evento, que acontece nas dependências da Fiocruz Bahia, tem o objetivo de ampliar a interação e o debate social em torno da temática das tecnologias sociais, a partir da participação de especialistas, de gestores públicos e de representantes da sociedade civil organizada em atuação nos campos da saúde, cultura, comunicação e inovação.

A programação combina o debate conceitual através de duas mesas redondas: Biodiversidade e Proteção aos Conhecimentos Tradicionais Associados e Tecnologias Sociais, Inovação e Saúde, com os relatos de experiências que destacam as atividades, ações e projetos de atores engajados nas dinâmicas das tecnologias sociais nas instituições e em seus territórios.

Para contemplar as diversas dimensões do debate sobre tecnologia social, o Seminário contará com a participação de Angela Maria da Silva Gomes, doutora em Geografia e Membro do Conselho Nacional de Política de Igualdade Racial, que fará a conferência de abertura, e de Renato Dagnino, Professor Titular do Departamento de Política Científica e Tecnológica da UNICAMP, além de outros estudiosos do tema. Estes compartilham a mesa com representantes de povos tradicionais: quilombolas; terreiros e indígenas, a exemplo de Cacique Ramon Souza Santos, do Conselho Estadual de Povos Indígenas, e de Ana Placidino, Coordenadora Nacional da Rede Kôdya, entre outros.

Com tradição no debate sobre tecnologias sociais, a Fiocruz terá três representantes no Seminário. José Leonídio Madureira, da Coordenadoria de Cooperação Social, Joseane Costa, da Vice-Presidência de Ambiente, Atenção e Promoção da Saúde, e Adriano de Lavor, da Revista Radis já confirmaram presença.

Clique aqui e confira também a programação completa do evento.

Confira alguns palestrantes.

Serviço

O quê: I Seminário de Tecnologias Sociais: Biodiversidade, Inovação e Saúde

Onde: Na Fiocruz Bahia

Quando: 4 a 6 de novembro

Contato: Antonio Brotas – (71) 3176-2299/ (71) 9343-0008

Fonte: Ascom/Fiocruz

Embaixador de Israel visita Fapesb e propõe acordo de cooperação

086.foto03112014

Na última quarta-feira 29/10, o embaixador de Israel no Brasil, Reda Mansour, em visita à Bahia, reuniu-se com o diretor geral da Fapesb, Roberto Paulo Lopes. O embaixador propôs a formulação de um acordo de cooperação entre a Bahia e o estado de Israel para o desenvolvimento de um conjunto de projetos de pesquisa entre instituições baianas e israelenses.

Mansour diz que vê muitos aspectos na Bahia que permitem a ampliação de negócios com Israel, principalmente no setor da agroindústria. “Estamos vendo a possibilidade de realizar um seminário de negócios aqui na Bahia para, depois, levar uma delegação de empresários baianos para Israel”, disse. Ele também mostrou interesse em projetos acadêmicos e culturais, principalmente na área musical. “Israel é um país que produz muita tecnologia e tem um enorme potencial cultural.”

Roberto Paulo considera importante um acordo de cooperação com Israel: “Na busca de ampliar a cooperação internacional no estado da Bahia, um dos elementos centrais do desenvolvimento científico e tecnológico do estado, considero importante e estratégica a formulação de uma acordo de cooperação com Israel, haja vista as competências técnicas e científicas deste país em áreas como uso e reuso da água, tecnologias para a produção de alimentos em regiões semiáridas, TIC e outras”, disse.

Fonte: Ascom/Fapesb

Fapesb lança proposta de Editais de R$ 25 milhões para Fortalecimento das Engenharias no Estado da Bahia

085.foto30102014

A Fapesb promoveu na manhã desta quinta-feira um encontro com pesquisadores e profissionais das áreas de engenharias e ciência da computação, para apresentar o plano de criação do Programa de Fortalecimento das Engenharias e Ciências da Computação no Estado da Bahia. O objetivo do programa é promover ações de fortalecimento para ambas as áreas, abrangendo todo o estado e promovendo a desconcentração espacial dos recursos.

O Programa baseia-se em dois pilares principais. O primeiro, para o fortalecimento da infraestrutura, por meio do apoio à realização de obras e aquisição de equipamentos. O segundo, para o fortalecimento da articulação em rede, por meio do desenvolvimento de projetos multi-institucionais.

Para a realização das ações dentro do Programa, a Fapesb disponibilizará R$ 25 milhões para serem executados dentro do período de cinco anos. Com isto, a Fundação busca criar infraestruturas de referência tecnológica no país e estimular a interação entre universidades e empresas. Além disso, visa criar novos cursos de mestrado e doutorado, fortalecendo os já existentes, criar novos grupos de pesquisa, empresas inovadoras e empresas incubadas, e atrair pesquisadores para o estado.

“As universidades, principalmente as estaduais, estão muito interessadas neste programa, pois a Fapesb estará promovendo áreas importantes, carentes de um olhar mais atencioso”, diz Vivian Alves, da Coordenação de Apoio ao Desenvolvimento Científico, Tecnológico e Empreendedorismo da Fapesb. “Estas áreas são ícones importantes do processo de inovação e precisamos garantir que tenham apoio”, completa.

O encontro contou com a presença das pró-reitoras da UESC, Élida Ferreira, UESB, Alexilda Oliveira de Souza e UFRB, Ana Cristina Soares.

Empresas contempladas no Edital TECNOVA assinam contrato com Fapesb

084.foto29102014

A Fapesb promoveu nesta quarta-feira um encontro que reuniu os empresários contemplados pelo Edital 029/2013 – Tecnova e os gestores da Fundação para assinatura dos contratos. O Edital Tecnova tem como objetivo apoiar projetos de inovação tecnológica de produtos, processos e serviços, de microempresas e de empresas de pequeno porte sediadas no estado da Bahia. Também participaram do encontro Marcelo Nicolas Camargo, da FINEP, que falou sobre o Programa INOVACRED Desenbahia, e Márcia Suede, do Sebrae, que apresentou uma proposta de trabalho a ser realizada com as empresas.

Segundo Roberto Paulo, diretor geral da Fapesb, os pesquisadores contemplados contribuem para incorporar a inovação à estrutura produtiva do estado: “O processo da inovação vai se alterando ao longo do tempo e a sua incorporação vem acontecendo de forma gradual”. O diretor lembrou que os empresários serão muito cobrados quanto à prestação de contas, pois isto faz parte do ordenamento jurídico, e pediu para que tenham atenção e cuidado na gestão dos recursos. “Mais importante do que trazer inovação é como seus produtos, processos e serviços vão melhorar a vida da população”, concluiu.

O Coordenador de Competitividade Empresarial da Fapesb, Alzir Mahl, disse que sete Editais de apoio à pesquisa na empresa já foram lançados pela Fundação, entre Subvenção Econômica, PAPPE Integração e TECNOVA. Nestes editais, foram disponibilizados R$ 54 milhões, sendo R$ 36,5 milhões provenientes da FINEP e R$ 17,5 milhões da Fapesb. Ao todo, foram apresentadas 447 propostas, das quais 126 projetos foram contratados.

Alzir diz que seis novas empresas foram contratadas sendo uma de Feira de Santana e outra de Juazeiro, cidades nunca antes contempladas: “Foi importante a entrada destas duas cidades, para abrirmos as barreiras para mais cidades do interior”, disse o coordenador.

Confira aqui a lista das empresas contempladas.

INOVACRED
Apresentado durante o encontro na Fapesb, este programa da Desenbahia visa financiar empresas no desenvolvimento e/ou aprimoramento de produtos, processos ou serviços, bem como inovação em marketing ou inovação organizacional, no ambiente produtivo ou social, visando ampliar a competitividade das empresas. O público alvo são Micro e Empresas de Pequeno Porte, Pequenas Empresas e Médias Empresas.

PARCERIA SEBRAE-TECNOVA
O Sebrae/BA vai acompanhar a execução dos projetos, durante 2 anos, das 22 empresas que tiveram recursos aprovados no âmbito do Edital 029/2013 – TECNOVA, por meio de uma parceria realizada com a Fapesb. O SEBRAE vai ofertar soluções de inovação, tecnologia, mercado, gestão empresarial que contribuam para a finalização do projeto com suas metas físicas cumpridas e objetivos finais alcançados.

Por: Lorena Bertino – Ascom/Fapesb

Jovem baiana vence concurso de ideias inovadoras de Harvard

083.foto23102014

Duas estudantes brasileiras foram selecionadas em um programa que incentiva projetos inovadores de empreendedorismo social promovido por alunos da Universidade Harvard, nos Estados Unidos. No total, entre 80 inscritos, além de Georgia Gabriela da Silva Sampaio, de Feira de Santana (BA), e Raíssa Müller, de Novo Hamburgo (RS), ambas com 19 anos, outros três participantes vindos do Sri Lanka, Nepal e Filipinas, foram premiados. Em novembro eles vão participar de um conferência no campus de Harvard para expor seus projetos para investidores do mundo todo e conhecer a universidade.

Chamado de “Village to Raise a Child” (significa “Vila por Trás do Jovem”), o evento realizado pela primeira vez por um grupo de alunos, ex-alunos e professores de Harvard tem objetivo de tornar conhecidas ideiam que impactem a comunidade em que os autores vivem. “A ‘vila’ significa bairro, comunidade, escola ou qualquer grupo social por trás desse jovem. Há sempre uma ‘vila’ atrás de uma ideia, de um projeto e nosso critério mais forte foi o de premiar ideias que impactem a comunidade”, diz o brasileiro Renan Ferreirinha Carneiro, de 20 anos, que integra a comissão organizadora do evento e cursa o 2º ano de economia e ciências políticas em Harvard.

Uma das premiadas é Georgia Gabriela da Silva Sampaio que pesquisa a criação de um método menos invasivo e mais barato, por meio de um exame de sangue, para o diagnóstico da endometriose, doença que acomete as mulheres. Ela começou a pesquisar o assunto há três anos, depois que tia foi diagnosticada e teve de extrair o útero, e Georgia cogitou a possibilidade de herdar a patologia, hipótese descartada até o momento.

“Fiquei pensando no contexto social e econômico e como as pessoas são privadas de ter um diagnóstico e se tratar. Desenvolvi um método de diagnóstico que pode ser feito através de marcadores biológicos que depois vai ser adaptado para um exame de sangue”, diz Georgia. Segundo ela, cientificamente não é uma ideia inédita, porém os pesquisadores “nunca foram adiante para trazer para a realidade.”

Georgia lembra que o diagnóstico da endometriose, inicialmente feito por exame de ultrassonografia, e o tratamento, que até prevê uma indicação cirúrgica, é muito restrito. “Esse olhar é voltado para minha comunidade, me senti incomodada com a possibilidade de muitas mulheres nem conseguirem ser diagnosticadas. Quero dar continuidade à minha pesquisa com ajuda de um orientador.”

A estudante concluiu o ensino médio no ano passado e neste ano vai disputar uma vaga em uma universidade americana, onde pretende conciliar cursos de engenharia e algo no campo das ciências biológicas.

Esponja para absorver óleo

A segunda brasileira vencedora é a estudante do ensino técnico em química Raíssa Müller que criou uma espécie de esponja que repele água e absorve óleo e poderia, por exemplo, ser utilizada em acidentes com derramamento de óleo no mar. “É um filtro que funciona com criptomelano, que é um mineral pouco conhecido e tem com propriedade ser poroso. No primeiro processo aumentei a tamanho do poros e no segundo fiz uma cobertura de silicone para repelir água e absorver óleo.”

Nenhuma substância química tem esse poder, segundo Raíssa, que lembra que a palha de milho também é usada para este fim, mas depois precisa ser queimada. “Ao utilizar o filtro, o óleo pode ser absorvido e recuperado depois para que seja revendido, e o filtro pode ser reutilizado.”

Agora a estudante pretende fazer testes do produto em grande escala para verificar a aplicabilidade. “Ser selecionada no prêmio foi muito bom, é um reconhecimento para mim, para minha região. Quero expor minha ideia e minha pesquisa.”

Raíssa vai concluir o ensino técnico de quatro anos em 2015, e pretende em seguida disputar uma vaga em uma universidade americana, para mesclar estudos de psicologia e neurociência. “É a química do cérebro, para mim está tudo interligado.”

As brasileiras, assim como os demais estudantes selecionados no concurso, estão com uma campanha na internet para arrecadar fundos aos projetos. Para ter acesso aos vídeos que explicam as ideias e fazer as doações acesse o link www.crowdrise.com/villagetoraiseachildprojects/fundraiser/

Concurso Ideias Inovadoras Fapesb

E por falar em ideias inovadoras, está prevista para dezembro a cerimônia de premiação do Concurso Ideias Inovadoras 2014 da Fapesb. Neste ano, 148 projetos foram submetidos, dos quais até 21 poderão ser premiados com cheques no valor de R$ 15 mil, R$ 10 mil e R$ 5 mil reais para primeiro, segundo e terceiro lugares, respectivamente. A novidade de 2014 foi a inclusão de uma nova categoria: Inventores da Economia Criativa.

Fonte: globo.com

Fiocruz Bahia oferece Curso de Especialização em Ensino de Biociências e Saúde

Estão abertas, até o dia 10 de novembro de 2014, as inscrições para o Curso de Especialização em Ensino de Biociências e Saúde. (…)

Fapesb apoia Brechó Ecosolidário

082.foto21102014

Nos dias 24 e 25 de outubro, acontecerá, no Parque da Cidade, em Salvador-BA, o Brechó EcoSolidário, uma feira de economia solidária de troca de bens usados, utilizando uma moeda chamada “grão”. O Brechó é realizado desde 2006 em conjunto com um mercado de produtos oriundos de cooperativas e diversas atividades de caráter cultural (apresentações de música e dança), formativo (variadas atividades de educação ambiental) e de saúde integral (aulas de ioga, biodança, qiqong, massagens, reiki, etc).

O Brechó EcoSolidário é um importante evento de conscientização sobre os efeitos do consumo para as mudanças climáticas atuais que incentiva os participantes a pensarem em outras formas de consumir, mais saudáveis, com menos desperdício e priorizando produtos das cooperativas de economia solidária.

O evento conta com o apoio da Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado da Bahia.

Diálogos em Humanidade / “Dialogues en humanité”

Co-fundadores dos “Dialogues en humanité”, o filósofo francês Patrick Viveret e sua compatriota, a cientista política Géneviève Ancel, estarão em Salvador nos dias 24 e 25 de outubro participando da 9ª edição do Brechó Eco Solidário, no Parque da Cidade.

Os “Dialogues en humanité” é um evento realizado anualmente, desde 2002, em Lyon, na França, para possibilitar ao público diálogos e vivencias sobre inovações que permitam encarar os desafios econômicos, sociais, ambientais e espirituais da humanidade.

Confira a PROGRAMAÇÃO do Brechó EcoSolidário.

Fonte: brecho-ecosolidario.blogspot.com.br/

Programa Grand Challenges anuncia R$ 11 milhões para pesquisas brasileiras em desenvolvimento infantil

081.foto15102014

A Fundação Bill & Melinda Gates, em parceria com o Ministério da Saúde e o Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CNPq) lançaram na última terça-feira (07) em Seattle o programa Grand Challenges Brasil: Desenvolvimento Saudável para Todas as Crianças (All Children Thriving) que vai oferecer R$ 11 milhões a pesquisas brasileiras em desenvolvimento infantil. O Brasil foi pioneiro em ter um Grand Challenges exclusivo para o país em 2013. A experiência deu tão certo que a iniciativa está sendo levada agora para outros países, como Índia e África do Sul, que também lançaram chamadas em desenvolvimento infantil específicas para seus cientistas.

O objetivo do Grand Challenges Brasil: Desenvolvimento Saudável para Todas as Crianças é financiar intervenções e soluções inovadoras para medir o desenvolvimento infantil e garantir que ele se dê de maneira saudável ao longo de toda a vida da criança. O programa busca pesquisas brasileiras capazes de determinar que pacotes de intervenções devem ser oferecidos durante a infância para reduzir fatores que comprometem o desenvolvimento infantil e podem impactar a vida adulta. Metade da chamada será financiada pelo Ministério da Saúde e CNPq e a outra metade pela Fundação Bill & Melinda Gates.

“Com o Grand Challenges, montamos uma rede internacional de instituições, que inclui a Fundação Gates e o Ministério da Saúde, comprometidos em investir em pesquisas inovadoras com o potencial de causar um grande impacto na saúde global”, afirmou Carlos Gadelha, Secretário de Ciência, Tecnologia e Insumos Estratégicos do Ministério da Saúde. “Nosso principal objetivo com essa iniciativa é transformar o conhecimento científico numa intervenção concreta em saúde não apenas para o Brasil mas também para outros países do mundo.”

Bill Gates, Carlos Gadelha e outros parceiros internacionais anunciaram esta e outras duas chamadas durante o 10ª Encontro Grand Challenges, em Seattle. Esta edição do evento celebra uma década do Grand Challenges, família de programas de financiamento para acelerar inovações científicas e tecnológicas em saúde global. A primeira iniciativa, a Grand Challenges in Global Health, ofereceu U$ 450 milhões a pesquisas em vacinas, HIV, tuberculose, malária e novas formas de controlar doenças transmitidas por mosquitos. Desde então, 1.110 projetos já foram financiados em 58 países. Os cientistas contemplados pelo programa se reúnem uma vez por ano no Encontro Grand Challenges para trocar experiências e acelerar o impacto de seus estudos.

Além da chamada em desenvolvimento infantil, outras duas iniciativas foram divulgadas pelos parceiros internacionais durante o evento:

Mulheres e Crianças no Centro do Desenvolvimento: focada em novas abordagens para garantir mais direitos e voz às mulheres e, assim, permitir que metas em saúde e desenvolvimento sejam cumpridas.
Novas Intervenções para Saúde Global: com o objetivo de acelerar e transformar inovações em vacinas, medicamentos e diagnósticos em intervenções seguras, eficazes e de baixo custo que possam ser amplamente empregadas em países em desenvolvimento.

Grand Challenges Brasil

No Brasil, o programa Grand Challenges mantém parceria desde 2011 com a Secretaria de Ciência e Tecnologia do Ministério da Saúde e o Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CNPq) para lançar editais de financiamento específicos para pesquisadores brasileiros. Em 2013, foi anunciado o primeiro Grand Challenges focado num único país. A chamada Grand Challenges Brasil: Prevenção e Manejo de Nascimentos Prematuros buscou ideias inovadoras para reduzir as altas taxas de prematuridade no Brasil. Entre as 156 propostas submetidas, 12 foram selecionadas e os pesquisadores contemplados receberam R$ 8,4 milhões para desenvolver seus projetos ao longo de dois anos.

Motivado pelo sucesso do primeiro edital, a Fundação Gates e os parceiros brasileiros lançam agora a segunda iniciativa. A Grand Challenges Brasil: Desenvolvimento Saudável para Todas as Crianças oferecerá R$ 11 milhões a estudos e intervenções capazes de detectar entraves ao desenvolvimento infantil e propor medidas inovadoras para solucioná-los. Os financiamentos variam entre R$ 500 mil por dois anos a R$ 4 milhões ao longo de quatro anos. Pesquisadores, cientistas e empreendedores de todas as partes do Brasil podem enviar propostas até o dia 13 de janeiro de 2015. Mais informações podem ser acessadas no site do Grand Challenges.

“Investir na saúde e no desenvolvimento das crianças é uma das melhores coisas que um país pode fazer para melhorar o bem estar de comunidades e famílias”, afirmou Trevor Mundel, presidente de Saúde Global da Fundação Bill & Melinda Gates. “Estamos muito animados em ver que o Brasil continua se comprometendo com a inovação em saúde global por meio dessas novas iniciativas.”

O desenvolvimento infantil saudável é resultado de uma série de fatores biológicos (prematuridade, baixo peso ao nascer, restrição do crescimento intrauterino) e também condições socioeconômicas (ambiente de violência doméstica, índice de escolaridade da mãe e de leitura para a criança). Todos esses elementos somados determinam o adulto que a criança será no futuro. Para garantir uma vida saudável e produtiva, é preciso oferecer soluções integradas capazes de enfrentar todos esses fatores em conjunto. É por isso que a chamada Grand Challenges Brasil: Desenvolvimento Saudável para Todas as Crianças busca financiar uma combinação de intervenções para prevenir uma gama de problemas que podem comprometer o desenvolvimento infantil.

Em todo o mundo, mais de 6 milhões de crianças com menos de 5 anos morrem todos os anos e, aproximadamente, 165 milhões (26%) delas têm baixo crescimento, colocando em risco seu desenvolvimento físico e cognitivo. O Brasil reduziu em 77% o número de mortes de crianças abaixo de 5 anos desde 1990, e tem assistido a um declínio constante no índice de baixo crescimento infantil, que caiu mais de 80% desde 1975.

No entanto, grandes desafios persistem em ambas as áreas. A cada ano, 26 mil bebês brasileiros morrem antes de completar 30 dias de vida. Uma proporção significativa de mortes neonatais está associada ao parto prematuro, que hoje representa 11,3% de todos os nascimentos no país. A obesidade e o sobrepeso também são preocupações crescentes em todo o Brasil. De acordo com um estudo recente, 12% das crianças brasileiras com menos de 5 anos estão com sobrepeso, o que significa um aumento de 64% desde 2009.

O novo Grand Challenges se soma à plataforma global All Children Thriving, composta por uma família de programas Grand Challenges apoiados pela Fundação Bill e Melinda Gates e seus parceiros e que têm como foco o nascimento, crescimento e desenvolvimento saudáveis. O All Children Thriving inclui ainda os programas globais Saving Brains (Salvando Cérebros) e Saving Lifes at Birth (Salvando Vidas no Nascimento), além das iniciativas lançadas por meio do Grand Challenges Brasil e Grand Challenges Índia.

Outro Grand Challenges aberto para brasileiros

Além da chamada em desenvolvimento infantil que foi lançada nesta semana, há um outro Grand Challenges com inscrições abertas a pesquisadores e inovadores brasileiros. A 14ª edição do programa global Grand Challenges Explorations oferece financiamentos menores, de 100 mil dólares cada, a ideias inovadoras para os seis desafios abaixo. As inscrições vão até o dia 12 de novembro.

Facilitando a Aceitação Universal de Serviços de Pagamentos via Celular (Mobile Money Payments)
Ferramentas de Vigilância, Diagnóstico e de Dieta Artificial para Apoiar Novas Abordagens em Controle de Vetores
Novas Abordagens Para Enfrentar a Transmissão Residual de Malária
Novas Maneiras de Reduzir Mortes de Crianças Por Pneumonia com Tratamentos Eficazes e Administrados a Tempo
Novas Formas de Medir o Desenvolvimento Cerebral e a Idade Gestacional
Novas Maneiras de Trabalhar Juntos: Integrando Intervenções Comunitárias em Doenças Tropicais Negligenciadas

Qualquer pessoa de qualquer área pode enviar propostas para o programa. Para participar, você só precisa de duas folhas de papel. Nelas você deve explicar por que sua ideia apresenta uma solução inovadora que pode gerar impacto em um dos desafios propostos pelo GCE. Os projetos têm de responder adequadamente aos tópicos. Propostas fora do tema não serão avaliadas. No Brasil, uma parceria com 17 Fundações Estaduais de Amparo à Pesquisa (FAPs) garante um aporte adicional de 50.000 a 100.000 dólares a inovadores desses 17 estados que tiverem suas ideias selecionadas pelo programa.

Para inscrever seu projeto, basta acessar o site: .

Profissionais baianos podem se inscrever no Programa de Bolsas Chevening até 15/11

080.foto14102014

No intuito de ampliar o acesso dos estudantes e profissionais baianos às bolsas Chevening, a Secretaria de Promoção da Igualdade Racial do Estado da Bahia, a Assessoria Internacional da Universidade Federal da Bahia e a Embaixada do Reino Unido no Brasil realizarão uma sessão de apresentação do Programa Chevening em Salvador-BA, no dia 22 de outubro de 2014.

As bolsas Chevening são destinadas a profissionais recém-formados com potencial para tornarem-se líderes e formadores de opinião em suas respectivas áreas de atuação. O programa oferece não apenas o completo suporte financeiro para estudos de pós-graduação no Reino Unido, mas também a oportunidade de integrar uma rede de ex-bolsistas com abrangência mundial.

As candidaturas poderão abranger diferentes áreas do conhecimento, a exemplo de: Negócios e investimentos; Ambiente empresarial; Segurança global e relações internacionais; Desenvolvimento; Crime; Eventos esportivos e legado. Para concorrer a uma das bolsas, o (a) candidato (a) deverá ter concluído a sua graduação em instituição de ensino superior devidamente reconhecida, possuir ao menos 02 (dois) anos de experiência profissional, incluindo trabalho voluntário ou estágios não remunerados, além de ter o nível requerido de conhecimento da língua inglesa.

A bolsa Chevening cobre todas as despesas acadêmicas do curso de pós-graduação na universidade britânica, além de fornecer auxílio mensal ao bolsista para despesas com hospedagem e alimentação.

Na primeira semana de setembro, a Secretária de Infraestrutura, Energia, Educação e GREAT da Embaixada Britânica de Brasília, Nnenne Iwuji-Eme, reuniu-se, em Salvador-Ba, com Roberto Paulo Lopes, diretor geral da Fapesb, para apresentar o Programa Chevening de bolsas de estudo. Confira aqui.

O que: Apresentação do Programa de Bolsas do Governo Britânico – Chevening.
Quando: Quarta-feira, dia 22/10/2015, das 10 às 12h.
Onde: Auditório do Instituto de Saúde Coletiva – UFBA, Canela, Salvador-BA.

Confirme a sua presença via: ascom@sepromi.ba.gov.br

Para maiores informações acesse: www.chevening.org/brazil

Fonte: Assessoria Internacional/SEPROMI-BA

Semana Nacional de Ciência e Tecnologia apresenta produções científicas para o desenvolvimento social

078.foto11102014

Conhecer, testar e experimentar diversas produções e equipamentos científicos nas áreas de games, robótica, física e ciência. Estas e outras novidades estarão disponíveis para o público baiano na 11ª edição da Semana Nacional de Ciência e Tecnologia (SNCT), promovida pela Secretaria Estadual de Ciência, Tecnologia e Inovação (Secti), que será realizada entre os dias 13 e 19 de outubro, no estacionamento L1 do Salvador Shopping.

Com o tema “Ciência e Tecnologia para o Desenvolvimento Social”, a Semana Nacional de Ciência e Tecnologia (SNCT), acontece dentro de uma tenda climatizada com cerca de 600m², onde os visitantes poderão participar do Campeonato de Robótica, Física Recreativa, Espaço Games, Show da Química e Ciência no Cotidiano. Além do Ciclo de Palestras grátis sobre Jogos Digitais na Livraria Saraiva.

A novidade da SNCT 2014 será a presença das unidades móveis da Fundação de Hematologia e Hemoterapia da Bahia (Hemoba) e do Instituto Baiano de Metrologia e Qualidade (Ibametro). O veículo do Hemoba estará nos dias 16, 17 e 18 ao lado da tenda da SNCT para os interessados que desejam doar sangue. O Ibametro apresentará campanha educativa todos os dias da SNCT, com diversas palestras entre outros temas, consumo seguro para crianças e adultos, produtos com certificação e descartes de brinquedos.

Com o objetivo de popularizar a ciência e tecnologia, a Semana Nacional de Ciência e Tecnologia apresenta também jogos de Kinect e equipamentos que utilizam princípios de química e física, como: A Bicicleta geradora de energia, Chispa ascendente, Sopro que aprisiona, Anamorfose Cilíndrica, Looping, Poço Gravitacional e Condutores e isolantes estarão disponíveis em um ambiente estruturado e com monitores capacitados a prestarem informações sobre os equipamentos.

A Semana Nacional de Ciência e Tecnologia foi instituída em 2004, por decreto presidencial, para mobilizar jovens e crianças em torno de temas e iniciativas de ciência e tecnologia. “Realizar a SNCT na Bahia cria a possibilidade de partilhar assuntos de ciência e tecnologia com a população. O nosso objetivo é o fortalecimento deste campo, por meio de atividades lúdicas e de entretenimento que estimulam o interesse pela ciência e valorizam a criatividade e inovação”, afirmou Andrea Mendonça, secretária da Secti.

A presença do Robozão da Bahia também está garantida. Durante o evento, o mascote do evento, um robô que possui 2,6 metros de altura, 1,6m de envergadura, dança, canta e interage com o público circulará pelo Salvador Shopping, convidando o público para conhecer a exposição, mostrando os experimentos e curiosidades da mostra.

SERVIÇO
O que: 11ª Semana Nacional de Ciência e Tecnologia
Onde: Estacionamento L1 – Salvador Shopping
Quando: 13 a 19 de outubro de 2014
Horários: Segunda a sábado, das 9h às 21h; domingo das 13h às 20h;
Evento gratuito e aberto ao público

Conheça alguns dos equipamentos que participarão da mostra

Cadeira giratória – Você já reparou que uma bailarina aumenta sua velocidade de giro quando junta os braços que antes estavam abertos? Pois é, aqui nem precisa você ficar nas pontas dos pés: basta sentar na cadeira, e iniciar seu giro de braços abertos. Depois, experimente aproximar os braços do corpo. Se ela começar a girar muito rápido, é só abrir os braços novamente.

Chispa – Você sabe o que acontece quando, em dias de tempestade, as nuvens ficam extremamente carregadas de eletricidade? Um belo relâmpago! O tamanho da faísca indica a voltagem nas nuvens que é de alguns milhões de volts! Nessa instalação, temos um transformador de néon que gera 15.000 Volts, por isso, a faísca é bem menor que um relâmpago. Por que ela sobe? Pois é; o ar percorrido pela descarga sofre duas alterações: aquece e fica ionizado. Como é mais fácil a faísca acontecer no ar ionizado, ela acompanha este que sobe por estar aquecido.

Sopro que aprisiona – Se soprarmos entre duas folhas de papel, elas se aproximam em lugar de se afastarem. Isso acontece porque o ar em movimento faz menos pressão sobre a folha do que o ar parado que se encontra à volta das duas folhas. No caso dessa instalação, o jato de ar que sopra na bola, cria uma região de baixa pressão na vizinhança da mesma; com isso, a pressão atmosfera “aprisiona” a esfera no interior do jato de ar.

Anamorfose Cilíndrica – Você já reparou que quando você se olha na costa de uma colher a sua imagem sofre uma certa deformação? Pois é; se existir uma extraterrestre parecido com você, mas um pouco deformado, é possível que a imagem dele na colher fique “consertada”. Para não precisarmos de extraterrestres deformados, construímos uma imagem perfeitamente deformada, de forma que ela pareça direita ao ser refletida neste espelho cilíndrico. A deformação na imagem depende do raio do espelho.

Looping – Existem brinquedos de parques de diversões que funcionam assim: o carrinho é levado para o alto de uma rampa, de onde é abandonado e começa a descer guiado por trilhos. Como a energia potencial que ela tinha (altura) era suficiente, ele descerá e conseguirá dar uma volta de 360 graus sem descolar dos trilhos. O mesmo acontece com as esferas nessa instalação. Só que aqui você pode experimentar largar as esferas de posições mais baixas e observar elas despencarem do alto do trilho.

Fonte: Ascom/Secti

Fapesb participa da SNCT com jogo voltado para público jovem feminino

079.foto10102014

Durante a 11ª Semana Nacional de Ciência e Tecnologia (SNCT), a Fapesb estará presente no Salvador Shopping com a pesquisadora Cristhyane Ribeiro, da empresa Sinergia Games, que apresentará ao público o jogo Cosmopolitan. Voltado para o público jovem feminino, o jogo ajuda as usuárias a desvendarem características de sua própria personalidade com o auxílio do método AIC – Apreciação, Influência e Controle, que inclui conhecimentos e técnicas para mapear o propósito humano, as relações de poder, seus impactos nos padrões de liderança, dentre outros aspectos, com aplicações de psicologia das cores.

Na versão que será apresentada na SNCT, a personagem, que realiza viagens por todo o mundo, estará em um ambiente indiano e viverá aventuras em um monastério budista, onde suas escolhas a levarão, no final, a um feedback sobre o seu desenvolvimento pessoal. “Acho importante as jovens e adolescentes terem acesso a conhecimentos que permitam que elas se sintam mais seguras para tomar as decisões de sua vida pessoal e profissional. O jogo pretende ser uma ferramenta lúdica para auxiliar neste processo”, explica Cristhyane.

O Cosmopolitan está em fase de testes e pesquisas finais e a SNCT será uma oportunidade para testá-lo com o público e aprimorá-lo antes de seu lançamento. Para Cristhyane, o modelo do jogo é uma inovação tecnológica, porém, o mais importante é que seja um modelo de sucesso junto ao público alvo. “O processo de criar um jogo que tenha a simpatia e envolvimento do público já é bem difícil, e nós ainda temos a difícil tarefa de fazer com que este mesmo jogo, além de divertido, seja instrutivo como ferramenta de auto-conhecimento”, diz.

A 11ª SNCT acontecerá de 13 a 19 de outubro, das 9h às 21h (domingo das 13h às 20h) no Estacionamento L1 do Salvador Shopping. O evento é gratuito e aberto ao público.

Por: Lorena Bertino – Ascom/Fapesb

Fapesb apoia eventos da Semana Nacional de Ciência e Tecnologia

077.foto10102014

De 13 a 19 de outubro, acontecerá a Semana Nacional de Ciência e Tecnologia – SNCT, promovida pela Ministério da Ciência, Tecnologia e Inovação. O objetivo do evento é mobilizar a população, em especial crianças e jovens, em torno de temas e atividades de Ciência e Tecnologia. Este ano, o tema central é “Ciência e Tecnologia para o Desenvolvimento Social”.

Como em todos os anos, a Fapesb apoiará alguns eventos durante a SNCT, que acontecerão em diferentes cidades do estado. Veja abaixo quais serão os eventos apoiados e onde visitá-los.

EXPOSIÇÃO: PLANTAS ÚTEIS DO PARQUE MUNICIPAL DE MUCUGÊ
Promover a preservação ambiental, sensibilizar a comunidade sobre a importância da biodiversidade do local e promover o turismo ecológico são alguns dos objetivos do Parque Nacional de Mucugê. Um dos exemplos de sucesso obtidos pelo parque foi a redução de impacto sobre as populações de sempre viva, uma espécie de planta ornamental lá cultivada, que vinha sendo utilizada de forma indiscriminada. Na SNCT, o Parque Municipal de Mucugê receberá uma exposição sobre plantas úteis nativas, que são utilizadas pelo homem para diversos fins. O objetivo, é alertar a população sobre a possibilidade e necessidade de uso sustentável destes recursos e seu potencial para o desenvolvimento social das populações locais. Fazem parte da programação passeios guiados de trilha para observação de parte das plantas apresentadas na exposição. A exposição é coordenada pelo professor José Geraldo de Aquino Assis, do Instituto de Biologia da UFBA.

CIÊNCIA INTERATIVA – (RE)DESCOBRINDO A ARTE DE APRENDER
Entre os dias 15 e 18 de outubro, o Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia da Bahia – IFBA, Campus Ilhéus, realizará a Feira de Ciência “Ciência Interativa”, cujo tema principal é “A Ciência como Fator de Mudança Social”. O evento é coordenado pelo professor do IFBA, Danilo Almeida Souza, e traz diversas atividades, como uma exposição de experimentos de ciências nas áreas de física, química e biologia. Nela, serão apresentados projetos inovadores para solução de problemas sociais, como, por exemplo, a produção de sabão com óleo de dendê das baianas de acarajé, o uso eficaz de energia elétrica e consumo de água, além de discussões sobre temas controversos, como porto sul, ferrovia leste-oeste e a vinda do novo aeroporto internacional para a cidade de Ilhéus. A programação inclui minicursos e oficinas como: utilização caixa de leite para conforto térmico em residências; utilização de óleo de cozinha para produção e comercialização de sabão; construção um painel solar com experimentos de baixo custo; entre outras atividades. O evento faz parte da III Semana de Ciência e Tecnologia do IFBA – Campus Ilhéus.

III SEMANA DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO IFBA – CAMPUS ILHÉUS
A III Semana de Ciência e Tecnologia do IFBA – Campus Ilhéus tem como objetivo promover um espaço de discussão onde se possa complementar a formação básica dos estudantes, permitindo que os mesmos produzam conhecimento científico e visualizem possíveis aplicações para o conhecimento teórico. O evento é aberto ao público e voltado, principalmente, para alunos de escolas públicas de Ilhéus e Itabuna, comunidades nas proximidades do campus, como Vila Cachoeira, Banco da Vitória e Salobrinho, além de instituições e organizações não governamentais com ações consolidadas na área. O evento oferecerá palestras, mesas redondas, oficinas e minicursos, e apresentará materiais científicos e tecnológicos produzidos pelo corpo discente do IFBA. O público poderá participar das oficinas de: Composição Corporal; Construções de Solo-cimento; Produção de Doces; Terapias Alternativas; Reciclagem de Papel; Alfabetização e Orientação Cartográfica; Instalações Hidráulicas; Instalações Elétricas; e Danças. E, também, dos minicursos: Os gêneros textuais e o cotidiano; Ler e compreender o idoso; Construção Civil; Compostagem; Hortas comunitárias; Energia Solar; Análise de Água do Rio Cachoeira; e Ocupação as áreas de risco de Ilhéus. O evento oferece, ainda, stands, exposições e apresentações culturais. A Feira Ciência Interativa faz parte da III Semana de Ciência e Tecnologia do IFBA, que acontece de 15 a 18 de outubro, sob a coordenação do professor Thiago Barbosa.

CIÊNCIA PARA A EDUCAÇÃO SANITÁRIA: UMA QUESTÃO DE DESENVOLVIMENTO SOCIAL
Atenta à alta incidência de zoonoses – doenças transmitidas naturalmente dos animais ao homem e vice-versa – nas populações mais vulneráveis, a professora Maria das Graças Pinto, da Escola de Medicina Veterinária e Zootecnia da UFBA, fará a exposição Ciência para Educação Sanitária. O objetivo é conscientizar a população sobre os problemas de saneamento que causam o aumento do número de doenças. A exposição é explicativa, educativa, e será conduzida por alunos do curso de medicina veterinária capacitados e treinados para explicar o tema. Os alunos irão apresentar as zoonoses de maior prevalência em Salvador e região metropolitana, e as de maior impacto para a saúde, suas formas de infecção, ciclos, prevenção, controle e erradicação. Serão abordadas doenças como Leptospirose, Raiva, Teníase, Cisticercose, Esquistossomose, Chagas, Leishmaniose e Toxoplasmose, seus mitos e especulações. A exposição será gratuita e aberta ao público, e acontecerá na Praça da Revolução, Periperi, em Salvador, de 13 a 19 de outubro.

SEMINÁRIO NOVOS E VELHOS SABERES VAI À ESCOLA
Desde 2002, o Instituto de Biologia da UFBA promove o Seminário Novos e Velhos Saberes, com o intuito de divulgar os resultados das pesquisas e os conhecimentos gerados dentro do Instituto. Em outubro, na SNCT, o coordenador destas atividades, professor Eduardo Mendes da Silva, levará seis seminários com pesquisadores renomados para seis diferentes escolas públicas do ensino médio, na Região Metropolitana de Salvador. O objetivo é aproximar os alunos dos cientistas, disseminando a ideia de que a profissão do cientista é acessível a todos, estando relacionada com o interesse pessoal de cada um, e não com a situação socioeconômica. Pretende-se, assim, fomentar nos alunos o interesse pela ciência e o desejo de tornarem-se cientistas. Os seminários serão registrados em vídeo e disponibilizados na internet, para que alcance não apenas os alunos das escolas escolhidas, mas um público maior. Os trabalhos nas escolas continuarão, mesmo depois da SNCT.

INCLUI IFBA! I MOSTRA DE TECNOLOGIA SOCIAL DO IFBA
A I Mostra de Tecnologia Social do IFBA será realizada durante os dias 15 e 16 de outubro de 2014, no IFBA Campus Salvador. O evento visa contribuir com a produção, socialização, sistematização e disseminação do conhecimento e das práticas no âmbito das Tecnologias Sociais no Estado da Bahia, bem como discutir a concepção de Tecnologias Sociais e sua interlocução com as políticas públicas. O público alvo são estudantes, professores, ativistas do movimento social, pesquisadores e profissionais de diversas áreas do conhecimento. O evento será composto por conferências, oficinas, exposição, apresentação de trabalhos, painéis e plenárias. Um dos principais objetivos da I Mostra de Tecnologia Social é fomentar o estabelecimento de parcerias entre grupos de pesquisa do IFBA e organizações do movimento social que trabalhem com Tecnologias Sociais, constituindo uma rede de colaboração que consiga avançar no estabelecimento de plataformas cognitivas para a criação de TS. A equipe executora é formada por docentes, técnicos administrativos e estudantes do IFBA e coordenada pela professora Luzia Matos Mota.

A CIÊNCIA E A TECNOLOGIA NO DESENVOLVIMENTO SOCIAL DA REGIÃO SUL DA BAHIA
De 14 a 17 de outubro, Ilhéus e Itabuna receberão o Caminhão com Ciência da Universidade Estadual de Santa Cruz – UESC, com diversos experimentos e atividades de ciências e matemática. Além do acervo do caminhão, serão realizadas palestras, oficinas e exposições, com o intuito de oferecer à população acesso ao universo da ciência e divulgar conhecimentos de matemática, física, química, biologia, biomedicina, geologia e agronomia para o público das escolas de Ensinos Fundamental e Médio e para o público em geral. Serão proferidas as seguintes palestras: Ciência e Tecnologia para o Desenvolvimento Social; Formas Alternativas de Produção de Eletricidade na Região de Ilhéus e Breve Análise de Seu Impacto Ambiental; Um Olhar Sobre a História da Região Cacaueira da Bahia na Perspectiva da Ciência e Tecnologia da Produção de Energia e Transportes. Serão oferecidas as seguintes atividades: Oficina sobre Multiplano; Matemática e Origami; Fractal: a geometria da natureza; Matemática: aprenda brincando; Tratamento de água; Reciclagem de papel; Os Gases e suas propriedades; Energia; As Reações Químicas; e A cultura popular e a ciência. O evento acontecerá nos dias 14 e 15 de outubro no Cais ConsCiência em Ilhéus e nos dias 16 e 17 de outubro na Praça Estádio Luis Viana Filho, no bairro de São Caetano, em Itabuna. O evento é coordenado pelo professor da UESC, Adriano Marcus Stuchi.

JORNADA ONDA ELÉTRICA PARA O DESENVOLVIMENTO SOCIAL
A Onda Elétrica para o Desenvolvimento Social levará ao público noções sobre princípios de Eletrônica, Eletromagnetismo e Eletricidade e aplicações da Engenharia Elétrica no dia a dia. O evento, que acontecerá durante a Semana Nacional de Ciência e Tecnologia, é uma compilação da Jornada Interativa de Engenharia Elétrica – Onda Elétrica, que acontece desde 2004 na Escola Politécnica da UFBA. A Jornada onda Elétrica será realizada no Colégio Florentina Alves dos Santos, localizado na cidade de Juazeiro-BA. O evento é voltado ao público juvenil e abrange uma feira de experimentos interativos e lúdicos que ilustram a aplicação da Engenharia Elétrica no cotidiano do cidadão e um ciclo de palestras com temas afins. O objetivo é despertar nos jovens o interesse vocacional pela Engenharia e pela pesquisa no campo tecnológico. A Jornada será promovida por estudantes do curso de Engenharia Elétrica da UFBA, sob a coordenação da professora Ana Isabela Cunha.

Professores e estudantes que queiram trabalhar voluntariamente na Semana Nacional de Ciência e Tecnologia 2014, devem entrar em contato com a Coordenação do seu estado ou município. Os contatos e demais informações podem ser encontrados no site semanact.mct.gov.br/web/snct2014.

Por: Lorena Bertino – Ascom/Fapesb

Fapesb apoia X Seminário de Pós-Graduação em Desenho, Cultura e Interatividade

076.foto09102014

Entre os dias 15 e 17 de outubro, acontecerá o X Seminário do Programa de Pós-Graduação em Desenho, Cultura e Interatividade, no Módulo 2 da Universidade Estadual de Feira de Santana – UEFS. O Seminário é um evento anual do Programa de Pós-Graduação em Desenho, Cultura e Interatividade cujo objetivo é promover ampla discussão acerca da presença determinante do Desenho nas mais diversas áreas de conhecimento. As inscrições para ouvintes serão feitas on-line até o dia 14 de outubro de 2014.

Concomitantemente, no ano de 2014 acontecerá o V Colóquio Internacional Sobre Desenho cuja proposta é de discutir estudos inter e multidisciplinares do Desenho nas mais diversas áreas de produção humana, como meta em socializar e divulgar o saber em Desenho, entendido enquanto campo de conhecimento e linguagem. O evento busca incentivar os participantes para atuar no ensino e na pesquisa do desenho, além de estimular a produção científica e cultural no campo do desenho.

Os dois eventos têm como eixo norteador a DIFUSÃO DO CONHECIMENTO onde serão apresentando reflexões no campo do desenho, proporcionando intercâmbios com outras instituições universitárias e de pesquisa na busca cada vez mais agregar novos colaboradores e incentivar a investigação do Desenho, em suas mais variadas vertentes da educação, cultural, social, artística, científica e tecnológica.

O evento é apoiado pela Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado da Bahia – FAPESB.

Para mais informações acesse o blog do evento.