Notícias

MCTI busca alternativas para ampliar orçamento diminuído por cortes

Recomposição parece ser a palavra de ordem no âmbito do Ministério da Ciência, Tecnologia e Inovação (MCTI). (…)

Bahia vai sediar evento internacional de fruticultura

De 13 a 16 de outubro, Salvador (BA) vai sediar o III Simpósio Internacional de Fruticultura – Sinfrut, cujo tema principal é “Pragas quarentenárias e melhoramento preventivo”, com foco no controle e manejo de pragas quarentenárias de fruteiras. (…)

Fapesb completa 14 anos e premia pesquisador baiano por mérito científico

094_27_08_2015

A Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado da Bahia (Fapesb) completou 14 anos nesta quinta. Criada com o objetivo de encurtar o caminho para superação de desigualdades regionais através do apoio ao desenvolvimento da área de Ciência, Tecnologia e Inovação (CT&I), a Fundação, ao longo dos anos, tornou-se protagonista no fomento a pesquisas em diversas áreas do conhecimento.

Durante a solenidade de aniversário o diretor geral da Fundação, Eduardo Almeida, falou sobre a importância da Fapesb para o desenvolvimento socioeconômico do Estado da Bahia. Afirmou também que a Fundação tem desempenhado um papel crucial no desenvolvimento científico e de inovação no estado com o seu programa de bolsas que, segundo ele, contribuiu fortemente com a expansão e consolidação da pós-graduação na Bahia: “Este é um momento de celebrar os esforços da Fundação. Atualmente é um período de recessão econômica, mas a gente acredita que o esforço que está sendo feito hoje pelo governo do estado, pela secretaria e pela nossa diretoria é uma importante forma de manter os investimentos na formação de recursos humanos”.

Como parte da comemoração, a FAPESB concedeu o Prêmio Roberto Santos de Mérito Científico ao pesquisador Maurício Lima Barreto, professor titular do Instituto de Saúde Coletiva da Universidade Federal da Bahia (aposentado em 2013) e pesquisador sênior da Fiocruz-CPqGM. Barreto dedicou o prêmio à sua família e agradeceu aos colegas e às instituições que fizeram parte de sua trajetória como pesquisador. Ele falou sobre a responsabilidade gerada pelo prêmio e de sua relação com o professor Roberto Santos, presidente da Academia de Ciências da Bahia (ACB): “É uma honra receber esse prêmio, mas é uma responsabilidade à medida em que ele vai ser dado todos os anos. Como ninguém recebeu antes de mim, não posso falar sobre meus antecedentes, mas queria falar sobre a pessoa que dá nome a esse prêmio e dizer a Roberto Santos que agora estamos vinculados, não tem mais jeito, seu nome vai estar em meu currículo”, brincou.

O professor Barreto contou sua história acadêmica e lembrou seus anos de convívio com Roberto Santos na Escola de Medicina da UFBA. Tendo entrado precocemente no mundo da pesquisa científica, Barreto falou sobre seu prazer em ser pesquisador: “Acho que a liberdade do pensamento é uma grande característica da investigação. O direito e a liberdade de pensar são conquistas pelas quais devemos prezar bastante”.

Na ocasião, o secretário Manoel Mendonça (SECTI) enfatizou o trabalho da Fundação como agência de fomento: “Hoje, a Fapesb faz 14 anos e é fundamental para nossa Ciência, Tecnologia e Inovação. Nosso trabalho realmente é um grande agente, um grande braço em relação a políticas do estado”. Ao discursar na entrega do Prêmio Roberto Santos de Mérito Científico o secretário falou sobre a honra da Fapesb e do Governo do Estado em dar ao prêmio o nome do presidente da ACB: “É uma honra para a Fapesb e para toda a Bahia, pois Roberto Santos tem sido um grande líder na ciência e política há muitos anos”.

Roberto Santos afirmou que o prêmio foi entregue ao professor Barreto como reconhecimento de toda a comunidade científica por sua capacidade, carreira e produção científica: “A Fapesb agiu muito bem em tê-lo escolhido para uma homenagem que começa a partir de hoje mas, seguramente, reconhecerá muitos dos demais cientistas que estão desenvolvendo e realizando trabalhos de plena importância aqui na Bahia”.

A solenidade de aniversário contou com a presença de reitores, secretários, ex-diretores, colaboradores, pesquisadores e membros da comunidade acadêmica. Para finalizar o evento, a Fapesb apresentou um vídeo institucional que pode ser conferido clicando aqui.

Por: Ascom/Fapesb

Pesquisador baiano receberá Prêmio Roberto Santos de Mérito Científico

093_26_08_2015

A Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado da Bahia – FAPESB lançou, este ano, o Prêmio Roberto Santos de Mérito Científico, cujo intuito é reconhecer o trabalho realizado pelos pesquisadores que contribuem para o desenvolvimento do estado, além de estimular o exercício da pesquisa científica. O escolhido pelo Comitê de Busca formado para este fim foi Maurício Lima Barreto, professor titular do Instituto de Saúde Coletiva da Universidade Federal da Bahia e da FIOCRUZ/Bahia.

Barreto foi o escolhido entre nove candidatos, indicados por meio de uma Consulta Pública aos pró-reitores de pesquisa das universidades baianas (federais, estaduais e particulares sem fins lucrativos), aos diretores dos institutos de pesquisa na área de Ciências da Vida sediados no estado e aos pesquisadores do CNPq atuantes na área. A Comissão que decidiu pela premiação do professor Barreto foi composta por Esper A. Cavalheiro, Francisco M. Salzano e Paulo M. Buss e ratificado pela Diretoria Executiva da Fapesb.

Como critérios para escolha do premiado, a Comissão analisou a produção científica, a publicação dos resultados em artigos científicos, livros e capítulos de livros; a preocupação com a formação de recursos humanos, especialmente em nível de pós-graduação; e o reconhecimento por seus pares, através de sua classificação como Bolsista de Pesquisa do CNPq, bem como prêmios e honrarias recebidos em sua carreira.

A premiação acontecerá nesta quinta-feira, durante a solenidade de aniversário da Fapesb, que completa 14 anos. O evento contará com a presença de secretários do estado, reitores e pró-reitores de universidades e instituições de ensino superior e pesquisa, representantes de instituições parceiras, ex-diretores da Fundação e membros da Academia de Ciências.

Leia o parecer na íntegra:

PARECER
TRABALHOS DE ESCOLHA DO VENCEDOR DO PRÊMIO ROBERTO SANTOS

A Comissão indicada pela Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado da Bahia, composta (em ordem alfabética do primeiro nome) por Esper A. Cavalheiro, Francisco M. Salzano e Paulo M. Buss para realizar a indicação do vencedor do Prêmio Roberto Santos deseja inicialmente manifestar ter sido muito difícil a tarefa de indicação, devido à qualidade dos “curriculum vitae” dos nove candidatos inscritos. Foi realizado, no entanto, um exame minucioso dos mesmos, tendo como critérios básicos: 1. A produção científica, como medida pela importância dos assuntos considerados e a publicação dos resultados em artigos científicos “in extenso”, livros e capítulos de livros; 2. A preocupação com a formação de recursos humanos, especialmente em nível de pós-graduação; e 3. O reconhecimento por seus pares, através de sua classificação como Bolsista de Pesquisa do CNPq, bem como prêmios e honrarias recebidos em sua carreira. A decisão final recaiu sobre MAURÍCIO LIMA BARRETO. Obteve ele seu Doutorado em 1987 no Reino Unido, é professor titular do Instituto de Saúde Coletiva da Universidade Federal da Bahia e da FIOCRUZ/Bahia, instituições onde desenvolve pesquisas de alto nível nas áreas de saúde coletiva e da epidemiologia das doenças infecciosas. Publicou 355 artigos científicos “in extenso” no período entre 1974 e 2015, bem como dois livros e 47 capítulos de livros. Ao longo de sua carreira, formou 18 Mestres e 23 Doutores. Como reconhecimento por sua atuação é ele, atualmente, Pesquisador 1A do CNPq, Membro da Ordem do Mérito Científico em nível de Comendador, Membro da Academia Brasileira de Ciências (ABC) e Membro da “The World Academy of Sciences for Advancement of Science in Developing Countries (TWAS)”; sendo, portanto, amplamente merecedor do Prêmio que agora lhe é outorgado.

São Paulo/Porto Alegre/Rio de Janeiro, 14 de agosto de 2015

Esper A. Cavalheiro / Francisco M. Salzano / Paulo M. Buss

Por: Ascom/Fapesb

FAPESB realiza Seminário de Monitoramento Parcial de Projetos de Pesquisa em Saúde para o SUS

092_25_08_2015

Teve início nesta terça-feira, 25/08, na Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado da Bahia (Fapesb), o Seminário de Monitoramento Parcial do Programa de Pesquisa para o SUS – PPSUS-BA: Gestão Compartilhada em Saúde. O seminário tem como intuito realizar o monitoramento dos projetos que foram aprovados no Edital Nº 020/2013, cujo objetivo foi apoiar por meio de aporte financeiro o desenvolvimento de pesquisas científicas, tecnológicas e/ou de inovação na área de saúde pública. Este edital é fruto de uma parceria da Fapesb com o Ministério da Saúde, CNPq e Secretaria de Saúde da Bahia (Sesab).

A mesa de abertura do Seminário contou com a presença do Diretor Científico da Fapesb, Dr. Saulo Carneiro e o Sub-Secretário da SESAB, Dr. Roberto Badaró. Segundo Saulo Carneiro, outro seminário está previsto para setembro deste ano: “Este seminário é importante porque é a primeira etapa para o seminário de setembro, onde serão estabelecidas as prioridades para o edital PPSUS de 2016″. Para este edital, foram disponibilizados recursos financeiros totais no valor de R$ 2.300.000 (dois milhões e trezentos mil reais). Cerca de 40 pesquisadores serão avaliados até essa terça-feira (26).

Os projetos englobam temas prioritários para saúde no Estado da Bahia, como: Saúde reprodutiva sexual de pacientes com Anemia Falciforme; Infecções respiratórias virais em crianças com Pneumonia; Saúde de idosos residentes em municípios de pequeno porte; Estratégias para o combate de doenças negligenciadas e câncer; Práticas de saúde bucal em crianças, dentre outros.

Durante o seminário, os pesquisadores expõem os objetivos, resultados e métodos de seus projetos, que são avaliados por uma banca. Após cada apresentação, os componentes da banca fazem observações, levantam questionamentos, discutem e esclarecem dúvidas.

Segundo Felipe Fagundes, representante do Ministério de Saúde, é importante que os resultados finais sejam incorporados ao repertório do Sistema Único de Saúde (SUS) para melhorar estrategicamente o atendimento à população. Felipe ressaltou também que a Bahia possui o maior número de pesquisadores e é um dos estados com o maior investimento em saúde do nordeste: “Nos últimos dez anos, investimos cerca de 255 milhões de reais”. De acordo ele, o próximo Edital PPSUS, de 2016, já está sendo organizado em parceria com a Fapesb, a Sesab e o CNPq.

Por: Ascom/Fapesb

Fapesb completa 14 anos de apoio à CT&I no estado

091_25_08_2015

No dia 27 de agosto, a Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado da Bahia (Fapesb) completará 14 anos. Criada em 2001, a Fapesb tem como objetivo apoiar projetos em Ciência, Tecnologia e Inovação, promovendo o fomento à pesquisa, por meio de seus editais e à formação de recursos humanos por meio do seu Programa de Bolsas.

Nos últimos nove anos, a Fundação investiu cerca de R$ 585 milhões em programas e projetos por meio de 200 editais e chamadas públicas. Além disso, foram apoiados cerca de 5 mil projetos e concedidas cerca de 23 mil bolsas em diversas áreas do conhecimento.

Para comemorar seus 14 anos, a Fapesb realizará uma solenidade para convidados, que contará com a presença de secretários do estado, reitores e pró-reitores de universidades e instituições de ensino superior e pesquisa, representantes de instituições parceiras, ex-diretores da Fundação e membros da Academia de Ciências.

Como parte da solenidade, a Fapesb consagrará um pesquisador baiano com o Prêmio Roberto Santos de Mérito Científico, que em sua primeira edição, contemplará a área de Ciências da Vida. O prêmio tem por intuito reconhecer o trabalho realizado por pesquisadores do estado, bem como estimular o exercício de pesquisas científicas que compactuam com o compromisso da Fapesb em melhorar as condições socioeconômicas da população baiana.

Solenidade de Comemoração dos 14 anos da Fapesb
Data – 27 de agosto de 2015
Horário – às 14h
Local – Fapesb – Rua Prof. Aristides Novis, 203, Federação

Por: Ascom/Fapesb

A Fapesb e seu Compromisso com a Comunidade Científica e o Estado

090-12-08-2015
Desde a antiguidade, a soberania das nações e evolução dos seus povos sempre estiveram diretamente relacionadas à Ciência. A busca pelo conhecimento representa os desafios, soluções e conquistas das grandes civilizações. Entretanto, na atualidade, para atender às demandas da sociedade moderna, utiliza-se o termo composto pelos vocábulos Ciência, Tecnologia e Inovação (CT&I). Ou seja, a Ciência deve ser aplicada para a criação, desenvolvimento e produção de tecnologias.

Nesse contexto, o governador Rui Costa tem permitido acontecimentos importantes no setor da CT&I do Estado. O passo decisivo foi dado com a nomeação do Professor Doutor da UFBA Manoel Mendonça como dirigente da Secretaria de Ciência, Tecnologia e Inovação (SECTI). Com um perfil técnico de alta qualificação, o Secretário tem exercido sua liderança com medidas muito bem vistas pela comunidade científica. Além de compor uma Secretaria eficiente, cuja reputação é notória no seu quadro formado por diversos pesquisadores doutores em diferentes Áreas do conhecimento, sua indicação para a Diretoria Geral da Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado da Bahia (Fapesb) foi atendida. Em abril deste ano, o também Professor Doutor da UFBA, Eduardo Santana de Almeida, foi nomeado pelo governador como dirigente máximo da Fundação. Vinculada à SECTI, a Fapesb apoia programas, instituições e projetos científicos do Estado.

Outrossim, nesses quatro meses, a nova gestão vem adotando uma filosofia semelhante quanto à composição de sua equipe e medidas que visem à melhoria da aplicabilidade de recursos públicos para o progresso da CT&I na Bahia. Para efeito de constatação, basta mencionar que para os seis editais lançados no último mês de abril, que somavam um montante de quase 35 milhões de reais, mais de 1200 propostas de projetos foram submetidas à Fapesb. Um número bastante expressivo e que motiva os pesquisadores da Bahia. Embora o panorama econômico não seja favorável, para manter esses investimentos, a Fundação tende a aumentar as parcerias federal e internacional, fortalecendo a relevância científica local. Ademais, mudanças internas e estruturais também são essenciais. Um novo sistema informatizado e a criação de um observatório que apresente indicadores estatísticos reduzirão a burocracia e custos, ao passo que aumentarão a transparência e agilidade. Apenas com bolsas de pesquisa, o investimento mensal da Fapesb gira em torno de 3,7 milhões de reais para a formação de novos cientistas. Portanto, é imprescindível uma gestão eficiente baseada em critérios específicos e responsáveis.

Sob tal prisma, entende-se que os recursos devem ser direcionados às Áreas estratégicas para o desenvolvimento econômico e social do Estado. Setores como mobilidade urbana, segurança pública, energia e recursos hídricos representam uma perspectiva de aumento significativo em soluções científicas, uma vez que temos pesquisadores renomados nas engenharias e ciências exatas, Áreas estas que, no entanto, foram menos contempladas anteriormente pela Fundação. A Bahia tem um elevado potencial para a exploração do uso das energias solar e eólica, por exemplo. Dessa maneira, a Fapesb irá lançar editais temáticos nos próximos anos e continuará o fomento à pós-graduação das universidades. Nessa esfera, uma forma de direcionar e aplicar as pesquisas no Estado é manter um alinhamento com suas respectivas secretarias. Finalmente, ratifica-se um aperfeiçoamento das relações com a indústria, o que viabiliza a transformação da Ciência em inovação tecnológica, gerando emprego, renda e maior competitividade às empresas baianas.

Sem embargo, apesar da importante simbiose entre a SECTI e a Fapesb, é necessária uma participação maior da comunidade científica no planejamento e definição das ações para o desenvolvimento sustentável do Estado. Para tanto, nossa Fundação mantém fortemente um diálogo transparente com pesquisadores, cientistas e lideranças políticas, de tal forma que tenhamos cada vez mais uma representatividade relevante perante a sociedade. Vale destacar que a Academia de Ciências da Bahia, sob a presidência e vice-presidência dos Professores Doutores Roberto Santos e Edivaldo Boaventura, respectivamente, promove diversas palestras e debates abertos ao público no auditório da Fapesb. Mestres e Doutores são formados não somente para atuar nas universidades, mas também para promoverem avanços científicos e tecnológicos que impactem positivamente na economia e melhorem a qualidade de vida da população, sendo este o compromisso da Fapesb.

Por: Marcus Americano
Fonte: Bahia Notícias

Fapesb apoia II Simpósio Micológico do Semiárido

089-11-08-2015A UNEB, por meio do Colegiado de Ciências Biológicas do Departamento de Educação (DEDC) do Campus VII, realiza o II Simpósio Micológico do Semiárido, entre os dias 26 e 29 de setembro de 2015, em Senhor do Bonfim – BA.

O Simpósio tem como perspectiva de discussão temas ligados a Micologia. Nesta segunda edição, pretende-se discutir a exploração de recursos micológicos no Brasil. O evento conta com a participação de profissionais renomados para difundir e demonstrar os diferentes estudos e avanços alcançados nesta área do conhecimento no nordeste e em todo território nacional.

O público alvo do simpósio são estudantes de graduação, pós-graduação e profissionais da área. A programação conta com palestras, mini-cursos, apresentações de trabalhos e mesas redondas. Aqueles que desejam participar como ouvintes devem preencher a ficha de inscrição e encaminhar para o e-mail enbiomicologia@gmail.com até o dia 21 de agosto. Há ainda a opção de efetuar a inscrição presencialmente até o dia do evento, no Espaço de Micologia do Campus VII.

Este evento conta com o apoio da Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado da Bahia.

Para mais informações, acesse: http://enbiomicologia2015.blogspot.com.br/.

Por: Ascom/Fapesb

Giro na Ciência – Embalagens feitas de materiais biodegradáveis ajudam a preservar frutas frescas

088_07_08_2015

Embalagens biodegradáveis, obtidas a partir da adição de nanocristais de celulose a polímeros feitos com amido e quitosana – fibra produzida a partir do esqueleto de crustáceos como camarão, caranguejo e lagosta –, poderão se tornar uma vantagem competitiva relevante para as exportações baianas de mangas na forma fresh-cut, ou seja, sem casca e sem caroço, para o mercado internacional. Tudo vai depender dos resultados em escala industrial de um projeto de inovação desenvolvido pelo Laboratório de Alimentos e Bebidas do Senai-Cimatec, em Salvador. “Atualmente, existe uma forte demanda para as frutas frescas já prontas para consumo, denominadas produtos minimamente processados, tendo em vista, principalmente, a facilidade e a praticidade”, diz Bruna Machado, coordenadora do projeto.

A ideia de adicionar os nanocristais ocorreu em decorrência da experiência da pesquisadora com seu projeto de mestrado em Ciências de Alimentos, na Universidade Federal da Bahia (UFBA). Seu objetivo era a obtenção de nanocristais oriundos do coco, incorporados em embalagens de amido de mandioca, utilizadas para envasar azeite de dendê. Os resultados da dissertação renderam a Bruna Machado o primeiro lugar na categoria Pesquisadores do concurso Ideias Inovadoras, promovido pela Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado da Bahia (Fapesb). Ela explica que a exportação de mangas in natura implica uma perda econômica elevada para o país, já que a casca e o caroço são considerados rejeitos. “Em muitos casos, as frutas, quando chegam aos países de destino, são processadas em fábricas ou nos próprios supermercados e embaladas para chegar até as prateleiras e atender à demanda dos consumidores locais.”

O custo com o transporte das frutas in natura é outro obstáculo enfrentado pelos exportadores. Os empresários do setor esclarecem que a casca e o caroço ocupam cerca de 40% a 60% do peso e espaço nos contêineres e paletes frigorificados a serem enviados pelos navios mercados afora. As mangas são exportadas inteiras dentro de caixas de papelão específicas, que podem estar envolvidas em cera de carnaúba e embaladas em papel seda. O uso da refrigeração se dá com o intuito de preservar as características das frutas durante a viagem aos mercados europeu e norte-americano, que dura em média 14 dias.

De acordo com Bruna Machado, o objetivo da pesquisa do Senai-Cimatec é desenvolver embalagens biodegradáveis inovadoras, com propriedades antioxidantes, que possibilitem aumentar a vida de prateleira, agregando valor ao produto baiano, e permitir a exportação de um maior volume efetivo da fruta. “A exportação das mangas já minimamente processadas e embaladas com essa tecnologia no país de origem poderá minimizar o custo do transporte e ainda preservar as frutas por mais tempo”, diz.

O tipo de manga escolhido para o estudo foi a Tommy Atkins, resultado de extensas pesquisas de seleção e melhoramento genético, que tem sabor doce e pouca fibra. Além disso, outra vantagem da fruta, quando comparada a outras variedades, é sua resistência mecânica e térmica durante o transporte, e mais tempo de estocagem prolongado e a boa tolerância à antracnose, doença causada pelo fungo Colletotrichum gloeosporioides, considerado a maior praga dos mangueirais. A variedade é a preferida dos agricultores brasileiros, respondendo por cerca de 80% da área cultivada no país.

A pesquisadora ressalta que o desenvolvimento de embalagens biodegradáveis para aplicação em frutas processadas com permeabilidade seletiva aos gases é um processo promissor, pois funciona, em princípio, como um acondicionamento de atmosfera modificada. “Como frutas em geral são muito sensíveis, o processamento que permita o controle eficiente da concentração dos gases pode prolongar satisfatoriamente o período de armazenamento dos produtos processados, bem como seu transporte eficiente”, diz.

Para ela, o maior desafio do projeto é melhorar as propriedades mecânicas e de barreira desses produtos inovadores com a adição de nanocristais, responsáveis por evitar que os frutos sejam machucados, amadureçam rapidamente e apodreçam. Para tanto, é preciso desenvolver e caracterizar diferentes embalagens biodegradáveis e poliméricas para os cortes das mangas e compará-las para identificar a composição que melhor garanta a manutenção das características nutricionais, microbiológicas e sensoriais da fruta, adequando-se às exigências do mercado internacional.

A obtenção de nanocristais envolve a extração de celulose da fibra de coco, sabugo e palha de milho, além do farelo de trigo, que são adicionados a matrizes poliméricas obtidas de fontes naturais renováveis como o amido e a quitosana. Dessa maneira, segundo a coordenadora do projeto, o uso de embalagens biodegradáveis incorporadas com nanocelulose pode torná-las mais resistentes mecanicamente, além de apresentar barreira ao vapor d’água ao reduzir a concentração de oxigênio em seu interior.

RESULTADOS PRELIMINARES

Cada material testado no Laboratório de Alimentos e Bebidas do Senai-Cimatec passa por análise para avaliação de rendimento. Primeiro, as fibras são lavadas com solução alcalina, para a remoção de material solúvel e parte da lignina, uma fibra insolúvel em água. Geralmente, essa lavagem é feita quatro vezes. Depois é realizado o branqueamento da massa obtida na etapa anterior. A celulose obtida é secada e triturada e em seguida é feita a hidrólise ácida do material resultante. Nessa etapa, o ácido presente consegue “atacar” a celulose, quebrando as fibrilas, restando apenas a parte cristalina, ou seja, os cristais de celulose. Por fim, os cristais se encontram “dispersos” em uma solução aquosa. “Chamamos de nanocristais porque na análise pela técnica de microscopia eletrônica de transmissão conseguimos medir os cristais, que estão em tamanhos nanométricos”, explica Bruna.

Os resultados preliminares indicam que a celulose originária da fibra do coco rende por volta de 20% a 30% a mais do que a do sabugo e palha de milho e do farelo de trigo. Esta celulose, chamada de aditivo de reforço, é adicionada às matrizes poliméricas, que podem ser amido de mandioca, batata ou milho e quitosana, formando soluções filmogênicas que deverão ser aquecidas para produzir os filmes. “O importante aqui é encontrar o produto com melhor custo-benefício, pois pretendemos partir da escala laboratorial para a industrial”, ressalta.

Outra proposta é a elaboração de embalagens com atmosfera modificada, nas quais são testados diferentes gases, como nitrogênio e dióxido de carbono, ou reduzidos os teores de oxigênio, a fim de inibir a proliferação de microrganismos e retardar o apodrecimento natural na fruta. “O resultado obtido com o uso desse tipo de embalagem é um produto que se mantém fresco por um período muito maior, sem necessidade de congelamento.” Segundo a pesquisadora, essa é uma técnica já empregada comercialmente, principalmente para hortaliças. Ela destaca ainda que faz parte da linha de frente da pesquisa a combinação de algumas dessas tecnologias, como, por exemplo, adicionar a atmosfera modificada na embalagem de amido e/ou quitosana, incorporada ou não com os nanocristais.

O estudo do Senai-Cimatec ainda está em fase de desenvolvimento das embalagens ecológicas, mas Bruna Machado informa que outros estágios já estão por vir e seguem um cronograma estabelecido. O próximo passo é avaliar o tempo de vida do produto na prateleira. Nessa etapa, serão observados parâmetros sensoriais, como coloração, consistência, aroma e sabor, além de aspectos microbiológicos e nutricionais das mangas acondicionadas.

Todo o sistema, segundo Bruna, será realizado de forma a simular a maneira como os frutos poderão ser exportados em sua forma fresh-cut e empacotados em freezers. “Em média, o transporte de cargas de um país para outro por via marítima leva de 14 a 40 dias, mas nossa investigação deverá durar 90 dias para avaliar o tempo de estocagem das mangas até a fase em que serão vendidas diretamente ao consumidor estrangeiro”, anuncia.

As atividades do projeto, intitulado “Desenvolvimento, caracterização e análise comparativa de diferentes embalagens para acondicionamento de mangas fresh-cut para agregação de valor ao processo de exportação”, tiveram início em novembro de 2014, após ter sido contemplado no Edital de Apoio a Soluções para a Fruticultura no Estado da Bahia, da Fapesb. O recurso aportado é de R$ 192 mil, incluindo duas bolsas de pesquisa, sendo uma de iniciação científica e outra de apoio técnico. Um estudante de mestrado também participa do projeto, feito em colaboração com a UFBA, a Universidade Estadual de Feira de Santana (Uefs) e Universidade Federal do Recôncavo da Bahia (UFRB).

A pesquisa está prevista para ser feita durante 34 meses e envolve desde o desenvolvimento das embalagens, a avaliação do estado de vida de prateleira, até a publicação de artigo e depósito de patente, se for o caso. Bruna Machado chama a atenção para o fato de que o objetivo do estudo não é substituir as embalagens de papelão, que são tradicionalmente usadas no transporte das mangas, e sim oferecer uma opção diferenciada na linha de produção do agronegócio baiano.

TECNOLOGIA LIMPA

Um quesito que deve ser levado em consideração é que as embalagens provenientes de fontes naturais renováveis têm sido foco de interesse para o desenvolvimento de novas tecnologias que visam à preservação ambiental e a busca de potenciais alternativas de substituição de plásticos convencionais oriundos do petróleo, que levam centenas de anos para se decompor.

O engenheiro de materiais José Manoel Marconcini, do Laboratório de Nanotecnologia para o Agronegócio da Embrapa Instrumentação, localizado em São Carlos, no interior de São Paulo, explica que na literatura científica existem estudos que avaliam frutas em seu estado minimamente processado utilizando embalagens convencionais, como, por exemplo, produzidas com poli (ácido lático), ou PLA, um produto comercial derivado do milho, uma fonte natural renovável e biodegradável. Outras embalagens também bastante estudadas são as produzidas a partir da espécie bacteriana Burkholderia sacchari, que se alimenta do açúcar da cana, chamadas de poli-hidroxibutirato (PHB).

Marconcini chama a atenção para as dificuldades de inserção da embalagem biodegradável no mercado. Ele explica que o principal empecilho pode ser o preço final do produto. “Se a embalagem for muito cara, o consumidor não vai querer pagar”, diz. No caso das embalagens comestíveis, como a desenvolvida na Embrapa, o pesquisador afirma que as barreiras de laboratório já foram vencidas e o processo de transferência para as empresas já está em fase de negociação. “O mercado de alimentos read to eat (pronto para comer) e fresh-cut está crescendo exponencialmente e existe uma série de empresas interessadas em absorver essas tecnologias”, evidencia.

Na Bahia, ainda não há uma produção local de filmes biodegradáveis. Segundo Bruna Machado, no momento, o que está sendo produzido é em escala laboratorial. “Após os resultados de nossa pesquisa, visamos à possibilidade de produção industrial”, diz. “Estamos unindo esforços com a UFBA, mais especificamente com a professora Janice Druzian, da Faculdade de Farmácia, para viabilizar a produção industrial dessas embalagens”, completa.

No mercado baiano de exportação de mangas acompanha-se com atenção esses novos desenvolvimentos de embalgens.O exportador de frutas Sílvio Medeiros, da Agrobras, empresa localizada em Casa Nova, entende que o consumidor do exterior quer praticidade e diz que as frutas fresh-cut já ocupam cerca de 20% das vendas no mercado americano. “Se o preço da embalagem não encarecer muito o produto, os nossos ganhos e o da economia baiana podem ser maiores”, comenta em relação à possibilidade de usar embalagens biodegradáveis.

Outro executivo do setor, Thiago Silva, da Ibacem Agrícola Comércio e Exportação, com sede em Juazeiro, ressaltou que só em feiras internacionais vê essas novas embalagens biodegradáveis. “Entramos em contato com essa tecnologia em feiras agrícolas fora do país.” O gerente agrícola gostaria de testar o produto do Senai-Cimatec como uma opção a mais na oferta de produtos da Ibacem.

Para Bruna Machado, Sílvio Medeiros e Thiago Silva são potenciais parceiros de seu projeto, além das cooperativas e packing houses da região do Vale do Submédio do São Francisco e Sudoeste da Bahia. “Essa é a nossa ideia inicial, transferir o conhecimento aos produtores. Nossa esperança é que eles possam adequar a infraestrutura de suas fazendas para poder produzir essas embalagens e utilizá-las no processamento das frutas”, diz.

A pesquisadora comenta que, para a coleta das mangas voltadas ao estudo, o grupo do Senai-Cimatec visitou os principais produtores da fruta no estado e estabeleceu o compromisso de transmitir os resultados dos testes em laboratório. “Também pretendemos elaborar uma cartilha ensinando como fazer o corte das mangas, embalá-las e acondicioná-las”, acrescenta. Ainda de acordo com Bruna, outra possibilidade poderia ser a colaboração com empresas que já produzem embalagens biodegradáveis.

A manga brasileira é um dos objetos de desejo nas prateleiras dos supermercados americanos e europeus. Trata-se de uma das frutas tropicais mais consumidas em todo o mundo. Segundo a Organização das Nações Unidas para Alimentação e Agricultura (FAO, na sigla em inglês), o Brasil ocupa o terceiro lugar na produção mundial de frutas, sendo o sétimo produtor mundial de manga. Ainda de acordo com os dados da FAO, em 2010, foram exportadas cerca de 120 mil toneladas de manga, com uma receita próxima a US$ 120 milhões. Em 2011, apesar do pequeno crescimento do volume, que passou para 127 mil toneladas, a receita de exportação se aproximou dos US$ 141 milhões por causa dos bons preços da manga brasileira no mercado internacional.

Nesse cenário, a Bahia lidera, pois é responsável pelo abastecimento dos mercados mais exigentes, dominando as exportações brasileiras. De acordo com o Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior, as mangas do Vale do Submédio São Francisco responderam, em 2012, por aproximadamente 80% do total exportado pelo país. Até outubro do mesmo ano, o Brasil havia exportado cerca de 90 mil toneladas do fruto. Deste total, cerca de 80 mil tiveram origem nessa região. Na Bahia, as cidades de Juazeiro, Livramento de Nossa Senhora e Dom Basílio se destacam como os maiores polos produtores de manga.

Enquanto soluções tecnológicas não são incorporadas pelos produtores brasileiros, já existem companhias internacionais que atuam na exportação de mangas e apostam na logística de transporte. Um exemplo é a empresa Blue Skies, que investe no processamento das frutas no país de origem em vez de serem transportadas e processadas nos países de consumo. “Conseguimos entregar nos pontos de venda as frutas frescas diretamente do produtor num período de 48 horas via transporte aéreo”, informa Simon Derrick, gerente de comunicação. Segundo ele, este processo rápido garante que as frutas mantenham as suas características sem a adição de conservantes. As mangas brasileiras são acondicionadas em bandejas de plástico PET reciclável e embaladas em uma película respirável. “Ao fazermos isso, acreditamos que cerca de 70% do valor fica no país de origem, em comparação com os 15% quando o processamento é feito em outro local.”

Por: Mariana Alcântara – Revista Bahia Ciência

Presidente da Fapesb fala sobre dificuldades e planos futuros para a Fundação

087_05_08_2015

O presidente da Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado da Bahia (Fapesb), Eduardo Santana de Almeida, proferiu palestra na manhã da última terça-feira (04/08) sobre o cenário atual da Fundação e as perspectivas para o futuro. Para uma plateia cheia, que contou com a presença da comunidade acadêmica, pesquisadores, quadro de funcionários da Fapesb e estudantes universitários, Eduardo apresentou os números da Fapesb e falou sobre as dificuldades atuais.

“Durante esses quatro meses de minha gestão, passei um tempo conhecendo a Fapesb e fiz questão de conhecer cada setor e ver como cada um operava. Visitei outras Faps no Brasil, com realidades similares à nossa, como a de Pernambuco, a do Ceará e a de Santa Catarina, para entender as dificuldades que estão acontecendo em outras Fundações e o que podemos melhorar em nosso cenário”, afirmou Eduardo.

Dentre os problemas citados, está a infraestrutura computacional que vem dificultando o acesso do público ao portal, com congestionamento constante, gerando diversas reclamações. O backup e o armazenamento físico são outros aspectos que precisam de melhorias. “A documentação que a Fapesb acumula com o recebimento de propostas gera um problema de espaço físico. Temos relatórios de bolsas de mais de 10 anos armazenados na Fundação. Por outro lado, o processo digital, não possuímos”, afirmou.

Eduardo falou sobre as fontes de receita da Fapesb, que corresponde a 1% da receita líquida tributária do estado, e lembrou de outra importante fonte que são os dividendos do estado oriundos do Desenbahia.

O chamado índice de execução também consta na lista de problemas a resolver. “Deveríamos receber algo em torno de R$ 111 milhões, porém, o que está sendo de fato repassado para a Fundação é muito menor”, afirmou o gestor. A nível de comparação, Eduardo citou duas grandes FAPs do país, a de São Paulo e a de Minas Gerais: “A Fapesp, em 2013, tinha o orçamento de R$ 1 bilhão com 100% de execução. Historicamente, o repasse é cumprido completamente”, disse. “A Fapemig também sempre teve o seu repasse historicamente cumprido e quando o governo não liberou, o assunto foi discutido em assembleia, a comunidade científica pressionou até a Fapemig entrar com uma ação contra o governo. Acredito que o diálogo é o melhor caminho e não podemos continuar com esse problema do repasse não acontecer”.

Outros problemas citados foram o atraso na liberação de recursos, a inadimplência dos pesquisadores e o excesso de burocracia nos processos da Fundação. Eduardo também falou sobre o atraso das bolsas, que tem sido motivo de reclamações constantes dos estudantes nas mídias sociais.

Um dos pontos mais enfatizados por Eduardo foi a falta de indicadores na formulação das políticas da Fapesb. Segundo o presidente, não há uma fonte de informações que possa ser facilmente acessada. Como exemplo, ele citou o Programa de Desenvolvimento Científico e Tecnológico Regional (DCR), cujo objetivo é fixar pesquisadores doutores no estado: “Quando perguntamos: ‘Quantos pesquisadores foram contratados? Quantos foram de fato fixados? Em que áreas houve mais adesão?’ Não temos essas informações”.

Perspectivas futuras

O primeiro projeto de melhoria, que já está em discussão, é a criação do observatório Fapesb. Este projeto visa sanar o problema da falta de indicadores, facilitando o acesso às informações referentes à Fundação: “Estamos falando de uma fundação de 14 anos, com investimentos de pelo menos R$ 100 milhões, e precisamos de indicadores e de transparência. O observatório vai nos trazer isso”, afirmou Eduardo.

Aliada a esta ideia, Eduardo disse que pretende trabalhar a gestão do conhecimento: “Temos um número elevado de bolsas, de contratos, de convênios, mas queremos saber, por exemplo, o que tem sido feito na área de energias renováveis, dengue? Não temos como conseguir essa informação. Precisamos compilar os resultados olhando todo esse histórico e isso é inviável”.

O presidente também falou que pretende organizar workshops transversais. A ideia é dialogar com as secretarias do governo e ver de que forma as pesquisas que estão sendo apoiadas pela Fapesb podem ser direcionadas e aplicadas no estado. “Vamos organizar esse workshops por área: em saúde, em educação, em agricultura, com suas respectivas secretarias, e fazer com que esse investimento em pesquisa volte para a esfera governamental.”

Outra ação que consta nos planos de melhoria é a criação de um sistema de bolsas online. De acordo com Eduardo, este sistema será similar ao do CNPq, onde o usuário poderá verificar todas as bolsas que estão implantadas no estado com o apoio da Fapesb. “Estamos em fase final e esperamos implantar já no próximo mês, auxiliando na questão da transparência”, disse. A obtenção de uma nova plataforma também consta na lista de ações futuras. “As pessoas têm cobrado muito pela burocracia e demora. Vamos buscar mais agilidade. Já começamos a conversar com o Instituto Stela, que criou a plataforma Lattes e tem influência muito forte nessa área”, afirmou Eduardo.

Quanto à política de editais, Eduardo já começou a implementar uma análise mais aprofundada, por meio de indicadores, para determinar, por exemplo, a distribuição de recursos para cada faixa de pesquisa, de acordo com a demanda. O mesmo se aplica aos eventos, que receberão recursos de acordo com a sua relevância científica.

O presidente da Fapesb citou, ainda, outras ações como a busca por mais parcerias federais; o lançamento de um ou dois editais temáticos por ano; a continuação do fomento à infraestrutura de pesquisa do estado e à pós-graduação de excelência; e o fomento à cooperação internacional.

Regimento interno

Em relação ao regimento interno, Eduardo falou sobre a necessidade de maior participação da comunidade acadêmica e científica na escolha dos membros das câmaras. Quanto ao banco de consultores Ad-Hocs, Eduardo disse que estão ocorrendo novas indicações de pesquisadores de diferentes áreas com o respaldo da comunidade cientifica. “Queremos que todos os projetos sejam avaliados por pesquisadores de reconhecida competência no país”.

O presidente afirmou que, embora o momento não seja propício, a questão das bolsas será trabalhada: “Hoje, o custo mensal da Fapesb com bolsas gira em torno de 3,7 milhões. Temos tido uma dificuldade muito grade com o governo porque o repasse do valor mensal tem sido muito pequeno”, explicou. Diante desta dificuldade, Eduardo disse que o orçamento mensal da Fundação tem sido usado principalmente para pagamento de bolsas e custos e que, por essa razão, o recurso de muitos projetos ainda não foi repassado.

Por fim, Eduardo disse que tentará minimizar o máximo possível a burocracia nos processos da Fundação e que a Fapesb deverá caminhar independentemente de interferências políticas, mantendo sua autonomia.

Por: Lorena Bertino – Ascom/Fapesb

Pesquisa brasileira desenvolve vacina via oral contra a hepatite B

O mercado de nanotecnologia está em franca expansão no mundo, com a descoberta de novos métodos e aplicações para os produtos desenvolvidos por meio desta técnica. (…)

Pesquisas para reconstrução óssea são realizadas com apoio da Fapesb

086_31_07_2015

Nossos ossos são estruturas sólidas, pouco flexíveis, que possuem uma capacidade de auto remodelação. Mas, a medida em que envelhecemos, eles se desgastam naturalmente, tornando-se mais rígidos e propensos a fraturas. Além disso, golpes e impactos violentos também podem quebrar os ossos. Acidentes de carro, ferimentos por armas de fogo ou quedas são algumas situações que costumam causar defeitos críticos nos tecidos ósseos.

Buscando uma forma de consertar estes defeitos, a pesquisadora Fabiana Paim, do Instituto de Ciências da Saúde da UFBA, desenvolveu um projeto, com apoio da Fapesb, que utiliza biomateriais para a reconstrução óssea. Biomateriais são substância encontradas na natureza ou produzidas artificialmente em laboratório que são colocadas em contato com os tecidos do organismo com o objetivo de reconstruí-los. Cada biomaterial é desenvolvido de acordo com as propriedades do tecido que necessite de reconstrução. Hidroxiapatita, polímeros a base de colágeno e quitosana são exemplos de biomateriais.

Para que um biomaterial possa ser comercializado, é necessário que ele passe por uma série de testes. Primeiro são realizados os testes in vitro, com cultura de células; em seguida, são feitos os testes in vivo, utilizando seres vivos, como, por exemplo ratos de laboratório; por fim, são realizados ensaios clínicos. O biomaterial passa por um órgão regulador para ver se atende a todas as normas exigidas e, caso seja aprovado, pode ir para o mercado.

O grupo de pesquisa de Fabiana é responsável pela parte dos testes in vivo. Eles testam os biomateriais em ratos de laboratório por meio de três propostas terapêuticas.

1- Terapia local com biomateriais isolados
Como os defeitos críticos são grandes e têm um formato que não permite que a regeneração ocorra sozinha, é preciso colocar algo dentro do defeito para formar o osso. Sendo assim, o grupo de pesquisa utilizou microesferas de hidroxiapatita, um mineral formado basicamente por fosfato de cálcio, que representa 99% do nosso cálcio corporal. As microesferas foram colocadas dentro do defeito para realizar a reconstrução óssea.

2- Associação de biomateriais e ranelato de estrôncio
Outra estratégia utilizada pelos pesquisadores foi associar o efeito local do biomaterial com a administração sistêmica de uma droga chamada ranelato de estrôncio, muito utilizada para tratamento de osteoporose, para redução de riscos de fratura. O ranelato de estrôncio promove a estimulação da formação de osso e foi adicionado na comida dos ratos, ao mesmo tempo em que as microesferas foram colocadas no local afetado.

3 – Cinesioterapia
Cinesioterapia é a terapia realizada através de movimentos para a reabilitação funcional. Neste projeto, foi utilizada uma plataforma vibratória desenvolvida pela NASA para auxiliar os astronautas que ficam muito tempo sem gravidade e por isso podem perder massa muscular e óssea. O sistema de vibração produz ondas que têm efeito sobre nossas células estimulando-as a produzirem matriz óssea.

Resultados:

Os pesquisadores fizeram diferentes associações das terapias, mas a melhor resposta veio de forma inesperada. Na primeira estratégia, da terapia local com biomateriais, para utilizar as microesferas de hidroxiapatita, os pesquisadores precisaram usar gelatina como aglutinador, para manter as esferas paradas no lugar do defeito. Mas, ao utilizarem a gelatina como uma espécie de cola, observaram que ela sozinha estava conseguindo reconstruir o osso. Como o resultado do teste piloto foi interessante, eles passaram a testar a gelatina como um biomaterial sozinho.

O uso do ranelato de estrôncio sozinho, apesar de apresentar bons resultados, não preenchia o volume do defeito por inteiro, sendo necessário usar o biomaterial como andaime para que o osso crescesse em volume. Porém, a associação de hidroxiapatita com ranelato de estrôncio não funcionou tão bem como se esperava. Usando apenas o biomaterial ou apenas o ranelato, o resultado era mais eficaz. Os pesquisadores estão fazendo novos estudos para entender porque a associação não teve tanto efeito.

Os estudos com cinesioterapia também revelaram um resultado interessante. As ondas produzidas pela plataforma vibratória estimularam a formação óssea mais rápida. Porém, mostrou-se necessária a colocação de um biomaterial dentro do defeito ósseo para servir como andaime, garantindo o crescimento do osso em volume, até o preenchimento total do defeito.

Portanto, a estratégia mais bem sucedida foi a da gelatina usada como biomaterial. O curioso é como foi feita essa descoberta: “Na primeira manipulação, para fazer um teste piloto, falei para a doutoranda pegar a gelatina, dissolver um pouquinho na água para ela ficar com a consistência molinha, misturar com o biomaterial e implantar. Aí ela me confessou que nunca tinha feito gelatina. Ela pôs o pó inteiro dentro do defeito e foi aí que, para a nossa surpresa, ele estava funcionando como um biomaterial”, explica Fabiana. “É aí que está a ciência, a pesquisa, para esgotarmos várias possibilidades”,diz.

Formas de tratamento

Hoje, existem algumas alternativas para consertar defeitos ósseos críticos. A primeira é o enxerto autógeno, no qual se retira um osso de alguma área do corpo do próprio paciente para ser colocado na área afetada. Normalmente, isso é feito em costelas ou na crista ilíaca. Em termos biológicos, este procedimento é muito bom, uma vez que o médico, ou o dentista, está trabalhando com os tecidos do próprio paciente, que contêm as mesmas células, fazendo com que o grau de rejeição seja praticamente nulo. Porém, o osso é retirado de um lugar que teve uma origem embrionária diferente de onde será colocado e isso significa que as características anatômicas daquele osso e seu metabolismo serão diferentes e o resultado pode não ser tão eficiente quanto se imagina.

Outra alternativa é o banco de ossos. Apesar de existir essa possibilidade, a aplicação é ainda complexa, pois atender às normas de biossegurança para a comercialização desses ossos é algo difícil.

A terceira alternativa é a desenvolvida pelo grupo de pesquisa de Fabiana, com a utilização de enxertos aloplásticos, que são os biomateriais. Muitos desses biomateriais são importados, o que significa que têm um custo alto. Isso muitas vezes impossibilita a sua aplicação pelo SUS. Por esta razão, Fabiana realiza pesquisas com biomateriais que são desenvolvidos no Brasil, para que seja possível comercializá-los no país, reduzindo os gastos com importação. O uso de biomateriais nacionais torna o custo mais acessível e contribui para que haja investimentos na tecnologia do Brasil.

Embora a pesquisa ainda não tenha atingido a fase final, em que pode ser aplicada clinicamente, todas as estratégias analisadas tiveram resultados positivos e nenhum material foi rejeitado pelo organismo. Alguns ainda precisam de mais investigações, para que os pesquisadores possam aprimorar os resultados, conseguindo o volume de osso necessário para reconstruir o defeito como um todo.

Segundo Fabiana, essa é uma área muito desafiadora e extremamente importante, pois cada vez mais o homem precisará de biomateriais, já que está vivendo mais, e está mais sujeito à perda de tecidos ósseos. “Hoje, já é possível até mesmo produzir biomateriais no formato do defeito através de impressoras 3D”, diz.

Apoio da Fapesb

Graças à Fapesb, o grupo de pesquisa conseguiu adquirir novos equipamentos e aprimorar o laboratório. “A Fapesb é uma parceira fundamental, desde que a inauguramos o laboratório. Conseguimos tudo isso graças aos recursos da Fapesb que, ao longo de 13 anos, desde que começamos a desenvolver essas pesquisas, tem nos apoiado ininterruptamente em todos os sentidos, não só com equipamentos mas também com materiais de consumo. Sem esse apoio nós não conseguiríamos”, afirma Fabiana.

Por: Lorena Bertino/ Ascom-Fapesb
Foto: Cortes histológicos com Biomaterial Microesfera de Hidroxiapatita e Alginato e osso neoformado

Pesquisador baiano desenvolve combustível feito de mel com apoio da Fapesb

085_29_07_2015

Já pensou em abastecer o seu carro com um combustível feito do mel de abelha? O apicultor Luiz Jordans Ramalho Alves decidiu dar uma utilidade para o mel que era descartado da fábrica por não passar pelo controle de qualidade. Desde 2011, ele estuda uma forma de zerar o desperdício, já que são descartados cerca de 11 kg de mel por mês.

Luiz Jordans desenvolveu um método para adquirir álcool do mel, ou álcool alimentício. O mel que seria descartado passa por um processo de fermentação seguido de destilação, que são os responsáveis por transformá-lo no álcool que pode ser usado como combustível. Por enquanto, apenas os veículos da empresa utilizam o álcool do mel. Esta inovação não apenas proporciona economia para a empresa, que consegue utilizar todos os seus recursos, como dá um exemplo de sustentabilidade.

Esta pesquisa foi apoiada pela Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado da Bahia (Fapesb), por meio do Edital PAPPE Integração.

Confira a matéria em nosso canal do youtube.

Por: Ascom/Fapesb

FAPESB lança Edital de Cooperação Internacional

084_28_07_2015

Através do Institut des Sciences de l’Information et de leur Interactions da França, a Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado da Bahia (Fapesb), em parceria com o Institut National de Recherche en Informatique et Automatique (IRIA) e o Centre National de la Recherche Scientifique (CNRS), lança o Edital N° 019/2015 – Cooperação Internacional FAPESB/INRIA/INS2i – CNRS.

O Edital tem como objetivo apoiar, por meio de recursos financeiros, equipes de pesquisadores baianos que queiram desenvolver atividades de pesquisa na área de Tecnologia da Informação e Comunicação (TIC). As pesquisas deverão ser executadas em conjunto com equipes de pesquisadores franceses vinculados ao INRIA ou INS2o – CNRS. A iniciativa busca estimular a aproximação e a cooperação entre pesquisadores brasileiros e estrangeiros.

Poderão apresentar propostas pesquisadores doutores que tenham vínculo empregatício com instituições de ensino superior (IES), centros e institutos de pesquisa e desenvolvimento públicos e privados (sem fins lucrativos), constituídos sob as leis brasileiras, e que tenham sua sede e administração no Estado da Bahia.

O valor máximo disponibilizado pela Fapesb para este edital será de R$ 360.000,00 (trezentos e sessenta mil reais) e para cada projeto o valor máximo será de R$ 120.000,00 (cento e vinte mil reais). As inscrições podem ser feitas pelo site da Fapesb até o dia 30 de setembro. Para mais informações confira o edital.

Por: Ascom/Fapesb

Fapesb apresenta Concurso Ideias Inovadoras para setor da Economia Criativa

083_27_07_2015

A Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado da Bahia – Fapesb, em parceria com o escritório Bahia Criativa – Incubadora de serviços criativos, realizou, na última quinta-feira, 23/07, um encontro preparatório para a oficina de projetos do edital Concurso Ideias Inovadoras 2015 da Fapesb. O objetivo do encontro foi sanar as dúvidas sobre o Edital e esclarecer os pontos mais importantes do mesmo, principalmente para os candidatos interessados pela categoria Inventores da Economia Criativa. Nos dias 30 e 31 de julho, o Bahia Criativa estará promovendo oficinas para auxiliar os proponentes no projeto. As inscrições podem ser feitas pelo e-mail bahia.criativa@cultura.ba.gov.br.

O encontro foi conduzido por Talita Costa, coordenadora pedagógica dos cursos do Bahia Criativa, que falou um pouco sobre a Economia Criativa no Brasil: “A economia criativa deriva do trabalho artístico, criativo de vocês, e o mais importante é a identidade, os valores, o imaginário”, afirmou. Segundo ela, o que determina o valor do fruto da Economia Criativa é a sua dimensão simbólica, e a criatividade e o capital intelectual são matérias-primas.

Vivian Alves, gestora do Concurso Ideias Inovadoras da Fapesb, falou sobre os objetivos do Concurso e seus pontos principais. Confira:

Categorias

O Concurso Ideias Inovadoras 2015 conta com oito categorias
1- Ensino Médio ou Técnico de Nível Médio
2- Graduandos
3- Pós Graduandos Lato Sensu e Stricto Sensu
4- Pesquisadores
5- Graduados Independentes
6- Inventores Independentes
7- Inventores da Economia Criativa
8- Inovações Educacionais – esta categoria foi lançada este ano, em parceria com a Secretaria de Educação, e é destinada a profissionais do magistério – gestores, professores e coordenadores pedagógicos que atuem nas unidades de ensino das redes públicas, estadual ou municipal.

Para participar do concurso, os candidatos devem preencher o formulário online no site da Fapesb, sem esquecer de concluir o procedimento. A não conclusão implica em desenquadramento. Além de preencher o formulário, é necessário enviar o projeto impresso pelo correio. “Aqueles que desejarem, podem incluir em anexo imagens do seu produto, ou enviar um CD com um vídeo explicativo, a fim de tornar mais clara a sua ideia”, disse Vivian. Os projetos serão analisados por consultores ad hocs de fora do estado da Bahia. Serão escolhidas dez propostas de cada categoria para a etapa de defesa oral, em que os representantes deverão apresentar pessoalmente a sua ideia inovadora para uma banca avaliadora. A última etapa é a premiação, que acontecerá em um evento promovido pela Fapesb, onde os vencedores serão anunciados.

O projeto pode ser apresentado individualmente ou em equipe, sem limite de número de participantes. Cada proposta, poderá concorrer em apenas uma categoria, mas o mesmo proponente pode enviar até duas propostas diferentes para uma ou duas categorias. O perfil do proponente deve ser compatível com os requisitos constantes na categoria em que submeterá a proposta, conforme explicou Vivian: “Se você já é formado na faculdade, não pode se inscrever na categoria graduandos, pois estará competindo com pessoas com um nível de conhecimento abaixo do seu. O próprio sistema não permitirá a sua inscrição na categoria errada”.

A banca avaliadora levará em conta os critérios de: originalidade; aplicação prática; impactos socioeconômicos, ambientais e culturais da inovação; diferenciação em relação ao mercado; capacidade de inserção no mercado; perfil do proponente e de sua equipe e a apresentação oral do projeto. Os três primeiros colocados em cada categoria receberão um prêmio no valor de R$ 15 mil, R$ 10 mil e R$ 5 mil reais para primeiro, segundo e terceiro lugares, respectivamente.

Para mais informações acesse o Edital no site da Fapesb, ou envie sua dúvida para cdteequipe@fapesb.ba.gov.br .

Por: Ascom/Fapesb

Fapesb realiza consulta pública para indicação ao Prêmio Roberto Santos de Mérito Científico

082_24_07_2015

A Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado da Bahia lançou este ano o Prêmio Roberto Santos de Mérito Científico, o qual em sua primeira edição contemplará um pesquisador baiano da área de Ciências da Vida. Com este prêmio, a Fapesb busca reconhecer o trabalho realizado pelos pesquisadores que contribuem para o desenvolvimento do estado, além de estimular o exercício da pesquisa científica. O prêmio consistirá em R$ 15 mil reais e uma placa de homenagem, a ser entregue pelo Secretário estadual de Ciência, Tecnologia e Inovação, Manoel Mendonça. A premiação acontecerá no dia do aniversário da Fapesb, 27 de agosto, na sede da Fundação.

A indicação dos candidatos será realizada através de uma Consulta Pública aos pró-reitores de pesquisa das universidades baianas (federais, estaduais e particulares sem fins lucrativos), aos diretores dos institutos de pesquisa na área de Ciências da Vida sediados no estado e a nossos pesquisadores do CNPq atuantes na área. A seleção será feita por um Comitê de Busca formado por Esper Cavalheiro (professor titular da Escola Paulista de Medicina da Universidade Federal de São Paulo e pesquisador 1A do CNPq), Francisco Salzano (professor titular da Universidade Federal do Rio Grande do Sul e pesquisador 1A do CNPq) e Paulo Buss (professor titular da Escola Nacional de Saúde Pública da Fiocruz, ex-presidente da Fiocruz e atual diretor do Centro de Relações Internacionais em Saúde da Fiocruz). O nome aprovado será automaticamente ratificado pela Diretoria Executiva da Fapesb.

Os pró-reitores das Instituições de Ensino Superior e os diretores dos Institutos de Pesquisa estão convidados a enviar para a Fapesb indicações pessoais (as quais podem, eventualmente, ser feitas em livre e comum acordo com outros pró-reitores e diretores). Os pesquisadores do CNPq (bolsistas de produtividade em pesquisa de qualquer nível) são também convidados a enviarem suas indicações. Neste caso, porém, a Fapesb recomenda o envio de indicações coletivas, feitas por grupos de pesquisadores. As indicações de candidaturas serão recebidas entre os dias 20 e 31 de julho. As orientações foram encaminhadas via e-mail para os membros dos citados grupos.

Por: Ascom/Fapesb

Bahia Criativa realiza encontro preparatório para edital Concurso Ideias Inovadoras 2015

081_22_07_2015

O escritório Bahia Criativa – fruto de um convênio firmado entre o Ministério da Cultura e o Governo da Bahia, gerido pela Secretaria de Cultura do Estado (SecultBA), através da Superintendência de Promoção Cultural – realizará no dia 23 de julho, às 14h30, um encontro preparatório para a oficina de projetos do edital Concurso Ideias Inovadoras 2015, da Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado da Bahia (FAPESB). A ação é gratuita e as inscrições podem ser feitas através do e-mail bahia.criativa@cultura.ba.gov.br.

Com o objetivo de congregar pessoas que tenham a intenção de concorrer ao prêmio na categoria Economia Criativa e para esclarecer sobre o edital e sobre a temática em questão, o encontro vai abordar o tema Economia Criativa – conceitos e práticas. Após o encontro, serão realizadas as inscrições para as oficinas do edital, que acontecerão nos dias 30 e 31 de julho na sede da Bahia Criativa (Forte do Barbalho).

O edital Concurso Ideias Inovadoras 2015 irá premiar ideias inovadoras com potencial de introdução no mercado e os prêmios variam de R$ 5 mil a R$ 15 mil. Além disso, os ganhadores poderão receber consultoria da Vilage Marcas e Patentes, participar de oficinas do SEBRAE e ainda ter sua ideia inovadora divulgada na mídia. O concurso é destinado a estudantes do ensino médio, graduação e pós-graduação; pesquisadores e toda pessoa física maior de 16 anos. Mais informações: www.fapesb.ba.gov.br.

Bahia Criativa – O Bahia Criativa é um escritório público de atendimento e suporte a profissionais e empreendedores que atuam nos setores criativos. Fruto de um convênio firmado entre o Ministério da Cultura e o Governo da Bahia, o equipamento é gerido pela Secretaria de Cultura do Estado, através da Superintendência de Promoção Cultural, e tem como objetivo proporcionar qualificação ligada à gestão e sustentabilidade econômica de atividades criativas. Localizado no Forte do Barbalho, em Salvador, oferece atendimento e suporte a profissionais e empreendedores que atuam nos setores criativos, por meio de consultorias, assessoria técnica e capacitação profissional – sempre com foco na qualificação da gestão de projetos e negócios criativos. Acompanhe a fanpage.

Encontro preparatório para a oficina de projetos – Edital Concurso Ideias Inovadoras 2015 – FAPESB
Quando: Quinta-feira, 23 de julho de 2015, às 14h30.
Endereço: sede da Bahia Criativa (Rua Marechal Gabriel Botafogo, s/n, Forte do Barbalho)
Quanto: Grátis.
Inscrições: e-mail: bahia.criativa@cultura.ba.gov.br
Informações: telefone: (71) 3319-0033

Projeto de pesquisa apoiado pela Fapesb é premiado em evento científico internacional

080_22_07_2015

Entre os dias 13 e 16 de julho, os professores Luciano B. Rodrigues, da Universidade Estadual do Sudoeste da Bahia – UESB, campus de Itapetinga, e a professora Camila D. Willers, do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia da Bahia – IFBA, campus de Vitória da Conquista, estiveram presentes no evento “VI Internacional Conference on Life Cycle Assessment in Latin America (Cilca)”, em Lima, na Pontifícia Universidade Católica do Peru. Na ocasião, os professores apresentaram o trabalho “Environmental Impact Assessment of Semi-Intensive Beef Cattle” que, ao final, foi premiado como o segundo melhor do evento, sendo ainda o único da América Latina premiado na Conferência. O trabalho também tem como autores o Prof. José Adolfo de Almeida Neto e Henrique Maranduba, ambos da UESC.

O trabalho foi fruto da dissertação do Mestrado da professora Camila Willers, que foi orientada pelo professor Luciano Rodrigues, junto ao Programa de Pós-graduação em Ciências Ambientais da UESB, e cujo objetivo foi analisar, por meio da Avaliação do Ciclo de Vida (ACV), os impactos ambientais na produção pecuária semi-intensiva em fazendas da microrregião de Itapetinga, no sudoeste da Bahia, considerando desde o nascimento até a venda dos animais para o abate. Os resultados obtidos são de grande importância e poderão contribuir para o melhor desempenho ambiental da produção pecuária da Região, podendo assim agregar valor ao produto.

O estudo fez parte de um projeto de pesquisa coordenado pelo Professor Luciano Rodrigues, o qual foi apoiado pelo Edital Pró-pesquisa da Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado da Bahia – Fapesb, tendo ainda como órgãos financiadores a Capes e o CNPq.

O Cilca é promovido pela Rede Iberoamericana de Ciclo de Vida, sendo o evento científico mais importante sobre Avaliação do Ciclo de Vida para os países da América Latina e Península Ibérica.

Fonte: UESB

Assessor-Chefe da Fapesb participa do 1º Encontro dos Presidentes das FAPs do NE

Gestores debateram propostas comuns à região Nordeste para buscar mais recursos

079_17_07_2015

A Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado do Piauí (Fapepi) realizou na última quinta-feira (16) o 1º Encontro dos Presidentes das Fundações de Amparo à Pesquisa do Nordeste. O objetivo do encontro foi a proposição de linhas de pesquisa comuns aos estados nordestinos para a captação de mais recursos dos órgãos federais. A proposta será encaminhada aos respectivos Secretários de Desenvolvimento Econômico, Científico, Tecnológico, que se reúnem com o Ministro da Ciência, Tecnologia e Inovação (MCTI), Aldo Rebelo, e com o Ministro da Justiça, José Eduardo Cardozo. A programação faz parte do preparatório para o 4º Encontro de Governadores do Nordeste, que acontece nesta sexta-feira (17) em Teresina.

Para o presidente da Fapepi, Francisco Guedes, o encontro dos presidentes da FAPs foi um ganho positivo na organização das Fundações na busca conjunta de recursos. “Elegemos cinco linhas de pesquisa prioritárias para fazer um projeto conjunto para buscar mais recursos para a ciência, tecnologia e inovação nas agências de fomento regionais, nacionais e internacionais”, explicou. Francisco Guedes disse ainda que embora o momento seja difícil para o país, também há oportunidades de unir ideias e conseguir novas fontes de financiamento.

Com relação às linhas de pesquisa o presidente da Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de Alagoas (Fapeal), Fábio Guedes Gomes, afirmou que todas envolvem temas comuns aos estados do Nordeste como segurança pública, energia, mobilidade urbana, recursos hídrico, semiárido e pobreza. “Definimos essas linhas e a partir delas poderemos angariar recursos junto a instituições nordestinas que podem financiar a pesquisa e ajudar as fundações a enfrentarem as dificuldades de repasse das agências federais”, colocou.

A questão da água e dos recursos hídricos é uma discussão essencial para o Nordeste, segundo Cláudio Benedito Silva Furtado, presidente da Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado da Paraíba (Fapesq) e Coordenador Regional do Conselho Nacional das Fundações Estaduais de Amparo à Pesquisa (CONFAP). “A gestão de recursos hídricos para o Nordeste é importantíssima. Passamos por um período de seca de mais de quatro anos e temos um colapso no abastecimento. Temos que pensar na água em todos os sentidos: abastecimento, captação, tratamento e reuso”, definiu.

O diretor-presidente da Fundação de Amparo à Pesquisa do Rio Grande do Norte (Fapern), Manoel Lucas Filho, definiu o encontro realizado na Fapepi como histórico. “Oficialmente é o primeiro encontro do Nordeste. Nós temos problemas comuns e linhas de pesquisas direcionadas à nossa realidade. É muito importante que estejamos aqui levando nossas sugestões aos governos estaduais e ao governo federal”, destacou.

A importância do encontro foi destacada também pelo presidente em exercício da Fundação de Apoio à Pesquisa e à Inovação Tecnológica de Sergipe (Fapitec), Josenito Oliveira Santos. “Os temas aqui discutidos são de bastante relevância para todos nós. E esperamos encontrar êxito na aplicação dessas políticas de ciência e tecnologia para o Nordeste e que traga qualidade de vida para o nosso povo”, ressaltou. Já o presidente da Fundação Cearense de Apoio ao Desenvolvimento Científico e Tecnológico (Funcap), Francisco César de Sá Barreto, definiu a reunião como “uma oportunidade rara porque os presidentes não se encontram regularmente. E hoje, estávamos todos aqui discutindo temas de interesse para a região que serão encaminhados para os secretários, governadores e ministros nos próximos dias”.

O assessor-chefe da Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado da Bahia (Fapesb), Marcus Americano da Costa, representando o diretor-geral Eduardo Santana de Almeida, destacou o tamanho do estado baiano como um dos desafios na gestão e que o encontro proporcionou uma troca de experiências. “Ouvir os colegas foi muito positivo. Nós somos um estado grande e temos algumas dificuldades geográficas. A troca de informações é importante para se fazer uma gestão mais eficiente, entendendo as soluções adotadas pelos outros presidentes”, pontuou.

O desenvolvimento de tecnologias para o combate à pobreza foi destacado pelo diretor- presidente da Fundação de Amparo à Pesquisa Científica e Tecnológica do Estado do Maranhão (Fapema), Alex Oliveira de Souza. “A demanda principal da Fapema e do Estado do Maranhão é trabalhar arduamente para a superação da pobreza e colocar a ciência e a tecnologia a serviço disso. Nós propusemos um grande debate em torno de tecnologias sociais para a superação da pobreza”, enfatizou. Alex Oliveira reforçou a importância da iniciativa da Fapepi para o desenvolvimento do Nordeste. “A região precisa de muita atenção. Por muito tempo estivemos desarticulados sem se preocupar com o que podemos fazer juntos. Acho essa iniciativa de convidar os presidentes para iniciarmos esse processo de colaboração e entendimento muito salutar”, declarou.

Propostas para o desenvolvimento do nordeste

Durante a tarde desta quinta (16), os presidentes das FAPs da região nordeste estiveram reunidos com os secretários de desenvolvimento econômico, científico e tecnológico, com a presença do governador do estado, Wellington Dias, oportunidade em que apresentaram as propostas discutidas no encontro da manhã, a serem encaminhadas no 4º Encontro dos Governadores.

Texto por: Mário David Melo
Foto por: Allan Campêlo

Secretário de Educação, Osvaldo Barreto, realiza palestra na Fapesb

078_15_07_2015

O Secretário de Educação, Osvaldo Barreto, realizou, nesta quarta-feira, 15/07, uma palestra na Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado da Bahia (Fapesb), onde apresentou o programa Educar para Transformar. Estiveram presentes docentes, pesquisadores e membros da Academia de Ciências da Bahia.

Entendendo a educação como força motriz de transformações sociais, o projeto Educar para Transformar visa melhorar a qualidade da educação na Bahia por meio de parcerias entre os diversos setores da sociedade. Segundo o secretário, o programa tem como metas a alfabetização infantil até os oito anos de idade e a permanência de todas as crianças e jovens na escola, com desempenho adequado à série cursada.

Alguns dos eixos do Educar para Transformar são: Colaboração entre Estado e Municípios, Fortalecimento da Educação Básica, Educação Profissional, Parceiros da Escola (parceria entre Escola, Universidades, Empresas e Organizações em prol da educação) e a Integração Família – Escola. Esses eixos deverão ser implantados simultaneamente para que possibilitem, segundo o secretário, “a formação do estudante crítico, autônomo, capaz de protagonizar o seu processo de aprendizagem e com vistas ao exercício pleno da cidadania”.

Para garantir que estudantes de áreas remotas possam cursar e concluir o ensino médio a Secretaria lançou o EMITec (Ensino Médio com Intermediação Tecnológica), que promove aulas via satélite, em tempo real e com interação entre aluno e professor. A fim de tornar o aprendizado mais amplo e dinâmico, o programa prevê a participação dos alunos em projetos de arte, ciência, cultura e esporte e a apresentação desses projetos em âmbito regional e estadual por meio de encontros, saraus, festivais e mostras.

Outro importante projeto citado foi o programa Ciência na Escola, apadrinhado por Dr. Roberto Santos, ex-Governador do Estado da Bahia e atual Presidente da Academia de Ciências da Bahia. O programa visa promover a educação científica inserindo o estudante no próprio processo de aprendizagem, gerando assim, experimentos, investigações e vivências que serão apresentadas, anualmente, na Feira de Ciências e Matemática da Bahia. Alguns desses experimentos ganham repercussão nacional e internacional.

Ao final da palestra, os presentes puderam conversar com o secretário e fazer sugestões, bem como tirar dúvidas sobre os programas implementados pela secretaria. A discussão foi mediada por Dr. Roberto Santos e contou com a presença de autoridades das áreas de ciência e educação como Manoel Barral, Diretor da Fiocruz, Dora Leal, ex-Reitora da Universidade Federal da Bahia e Edivaldo Boaventura, Vice-Presidente da Academia de Ciências da Bahia.

Fonte: Ascom/Fapesb